05 janeiro, 2019

PCP pede audição urgente da ERC sobre entrevista de Mário Machado na TVI


Mas... quem é Mário Machado? Este aqui ou o outro ao lado? É difícil identificá-lo... À primeira vista são iguais, pois ambos têm o crânio rapado, a mesma barba aparada, o mesmo corpo musculado. A expressão, essa é diferente. Um tem o ar tranquilo de quem nada lhe pesa na consciência o outro tem o olhar frio e agressivo de quem vai cometer um acto horroroso que não lhe pesará na consciência... 
No requerimento (na notícia que venho citando), o PCP alegou que Machado pertence a "uma organização criminosa que assume a sua natureza fascista e racista" e condenado pelo "homicídio de um cidadão cabo verdiano".
A confirmar-se, os tais, são mesmo iguais...
E se a ERC não se mexe, não sei o que virá a seguir.

 

13 comentários:

ematejoca disse...

Antes de Karl Popper já Voltaire disse a mesma coisa sobre a tolerância ilimitada.

Espero pela redação do Rogérito para responder ao teu comentário, porque não lhe compreendi o sentido.

Tu dizes que cada um tem o Stollen que merece.
Eu prefiro a frase clássica: cada um tem o presidente que merece.
E PORTUGAL tem o MARCELO!!!

Maria João Brito de Sousa disse...

Absolutamente correcto. A tolerância ilimitada mais do que poder levar ao desaparecimento da tolerância, a isso invariavelmente nos levará quando e se a tolerância vier a não ter limites.

Não vi a entrevista, mas li vários artigos de opinião sobre ela e conheço bem o paradoxo da tolerância que é aplicável a muitas outras situações, por estranho que possa parecer.

Estarei a ser tolerante ao refrear o meu impulso de insultar e esbofetear um criminoso fascista. Estarei a ser estúpida ou conivente com os seus crimes quando lhe der a oportunidade de os branquear publicamente. (este "eu" corresponde a um sujeito indefinido, claro)

Forte abraço.

Rogerio G. V. Pereira disse...

Teresa,

Acredite ou não,
também Voltaire é meu irmão...

Quanto a cada um ter o Stollen que merece
Não me parece
que o Marcelo seja
a prenda
Neste bolo Rei, com que o Cavaco se engasgava
Marcelo é... a fava

E é, mais tarde ou mais cedo, o povo quem o paga

Rogerio G. V. Pereira disse...

Maria João
ainda bem que não viste o vídeo
Só um monstro poderia fazer aquilo...

Rosa dos Ventos disse...

Não podemos ser tolerantes com os intolerantes e mais ainda com criminosos!

Abraço

ematejoca disse...

Não sou contra uma entrevista com o Mário Machado.
Numa democracia todos temos direito à palavra.
Sou contra que o Bruno Caetano tenha branqueado o fascismo, em vez de o desmascarar.

Maria João Brito de Sousa disse...

Eu vi o vídeo e sei bem o que um monstro pode fazer, Rogério.

Não foi nada fácil, mas vi-o aqui, no Conversa Avinagrada.

Rogerio G. V. Pereira disse...

Rosa
Explique isso à Ematejoca
que apesar de me fazer lembrar
que já o dizia Voltaire
insiste que a liberdade deve ser usada
por quem a não deve merecer

Rogerio G. V. Pereira disse...

Teresa

à sua atenção
http://entreasbrumasdamemoria.blogspot.com/2019/01/quem-e-mario-machado.html

Rogerio G. V. Pereira disse...

Maria João

Viste?...que coisa horrorosa...

Maria João Brito de Sousa disse...

Vi e, sim, é uma coisa horrorosa, patológica, abominável.

Não pode existir direito nenhum , excepto talvez o da sobrevivência, para quem desta forma atenta contra a vida alheia. Eu posso e devo tolerar muitas coisas que me sejam pessoalmente desagradáveis, mas não posso, nem devo tolerar o intolerável e o que é altamente pernicioso para a espécie a que pertenço.

ematejoca disse...

Vi o vídeo do eixo do mal, mas ainda não cheguei a ver a entrevista desse Mário Machado.

Ana Tapadas disse...

Não podemos tolerar determinadas coisas se quisermos continuar humanos.

Um beijo meu.