07 junho, 2010

Educação gastronómica: "Nada de papinhas! Ao Papa, comam-lhe o carro..."

Ao ler o DN de hoje, fiquei cilindrado com a pedagogia. Dizem assim: "Neste dia, em Évora, o líder era o chefe António Nobre, que concorda que a presença de crianças na cozinha é "uma forma de as incentivar" a seguir uma alimentação saudável. "Não quer dizer que não comam hambúrgueres ou esparguetes à bolonhesa que há por aí com muita fartura. Mas devem descobrir os outros sabores e, para isso, o papel dos pais é fundamental", diz. Um dos truques, desvenda, consiste em adaptar as receitas a cada faixa etária. Por isso, Nobre colocou os mais novos a construir um "Carro do papá" (receita de Henrique Mouro com ananás, kiwi, iogurte e cereais)."
Na foto do DN, os putos mostram o carro feito. Será que se estão a criar obesos mentais?

Verdadeiramente preocupado, não sei se o que fica na cabeça dos miúdos, se a memória da ementa com ananás, kiwi, iogurte e cereais se a visita do Papa... Acho que qualquer dos meus netos daria melhor a lição. Vejam só:

Marta e Miguel, filhotes da minha-filha-mais-velha, tem elevadas aptidões para ir a Évora dar uma aula a valer sobre as artes de bem confeccionar comida saudável. A foto documenta a Marta a avinagrar o DN, questionando o irmão seu conselheiro. A resposta que o Miguel deu é impublicável num blogue só para adultos...

O Duarte, que não é meu neto (mas eu sou avô dele, graças à minha-filha-do-meio), não reconhece na sua papa o carro produzido em Évora. Mas garanto que daria uma aula magistral sobre gastronomia, plena de criatividade e sentido religioso. Explicaria que aquilo não é um bolo, mas sim a montanha onde o profeta Maomé se deslocou (também poderia dar umas aulas nas áreas de EVT, já que conhece bem o uso adequado de todo o tipo de ferramentas...)


Este (querido) ranhoso é o Diogo, filho da minha-filha-mais-nova... Poderia ir a Évora explicar como se comem comandos da Zon. Seria uma aula de gastronomia e de prevenção da harmonia doméstica. Respondeu-me assim à pergunta que lhe fiz: "Avô, sem Zon, a mãe fala mais com o pai e o pai fala mais com ela, não há televisão para ninguèm..."

-


--NOTA: sei que não se devem editar fotos de família e crianças, mas os putos de Évora, seus professores e os cozinheiros, devem ficar a saber que não se deve recorrer a qualquer estratagema para evitar a obesidade...

15 comentários:

  1. Ora tem toda a razão não é preciso macacadas. Desde pequeninos vendo toda a gente comer a sopa, os legumes e a fruta passa a ser mais do que natural comer normalmente e no fim, podem comer o doce que quiserem que já não engorda.

    ResponderEliminar
  2. [Ando sem tempo, essa é que é essa...]

    :))

    ResponderEliminar
  3. Rogério

    Está fenomenal.
    Só não esplicou é qual a ementa que cozinha, quando essa putalhada, mais os pais se junta aí em casa. Aqui quando são mais de 2, dou-lhes sardinhas assadas com brôa mais os respectivos pimentos e tomates.

    A propósito ainda sobre os pasteis de bacalhau, que no Norte são designados por "bolinhos" do cujo:

    Há uns anitos mais de 20, assisti a uma palestre do Prof. Emilio Peres, autor da primeira publicação da "roda dos alimentos".
    A propósito da higiene alimentar contou a seguinte estória. No Porto realizou-se um congresso internacional de nutricionistas num Hotel onde ficaram hospedados os participantes estrangeiros. Congresso era de 2 dias. Durante a noite cada Português pegou em 2 ou 3 colegas de fora e levaram-nos a conhecer o Porto, claro que foram petiscando aqui e ali e não faltaram os celebres bolinhos de bacalhau e os rissois de carne "fortes".
    Não dia seguinte há hora marcada para o inicio do segundo dia do congresso só apareciam os Portugueses. Como o atrazo se prolongava as preocupações começaraam a surgir e lá se começou a ligar para os quartos dos visitantes. Resultado, andavam todos de calças na mão.
    Conclusão do Emilio Peres, nós ao consumir determinados produtos com algumas bactérias vamos criando anti-corpos e lá nos aguentamos sem grandes diarreias, os visitantes provenientes de vários paises da Europa, não estão habituados a este tipo de produtos reagindo mal a umas pequenas contaminações e como tal, lixaram-se.

    Lá está um produto muito bom mas que não conseguimos exportar, salvo para o chamado mercado da "saudade".
    Abraço

    ResponderEliminar
  4. Rogério, os seus netos são lindos e até aposto que comeriam o carro, o papa e mais que houvesse, sem ficarem gordos que nem texugos...

    Beijos da Maiúka

    ResponderEliminar
  5. saber "estar à mesa" aprende-se em família.

    tens razão!

    abraço

    ResponderEliminar
  6. Isa, é isso... Se as crianças vivem num ambiente de alimentação saudável terão comportamentos alimentares básicamente saudáveis.
    No entanto, julgo que existe algum mérito na iniciativa da escola de Évora. A questão é que ela serviu também objectvos secundários (o Papa) que porventura poderão ter subvertido uma boa ideia

    ResponderEliminar
  7. MdSol
    ...anda sem tempo
    È melhor perguntar ao tempo
    Quanto tempo, o tempo tem
    O tempo responderá, ao tempo
    Tenho tanto tempo
    Quanto tempo, o tempo tem
    Nè?

    (o tempo é de facto um bem escasso...)

    ResponderEliminar
  8. Folha Seca,

    Juntar todos é uma festa. Vale tudo:
    - A "sua" sardinhada
    - grelhada mista (peixe ou carne)
    - picanha à brasileira
    - rancho
    - cataplanas várias
    - massinha de peixe
    - muqueca de peixe
    - sopa da pedra
    - etc, etc

    Os refugados são pouco puxados, há sempre sopa, muita fruta, refrigerantes sem gas e bom vinho (cartão 5 litros D. Ermelinda, está na nossa moda...)

    Não há escapadelas: eles comem tudo, eles comem tudo, eles comem tudo e não deixam nada...

    Cozinheiros de serviço: eu e o meu primeiro genro (pai da Marta e do Miguel)

    Nas férias: só grelha...

    Boa?

    ResponderEliminar
  9. Maiúka e heretico

    Estar à mesa aprende-se em família. A pôr a mesa e a levantá-la também...

    Boa?

    ResponderEliminar
  10. Meu amigo.
    Primeiro vou-lhe dar os parabéns pela linda família que tem, é de certeza um pai e um avô orgulhoso e excelente.
    Depois o post está com o humor inteligente que já nos habituou.
    Finalmente vou-lhe "roubar" um selo avinagrado, só não o fiz antes por manifesta falta de tempo.
    Vou tentar fazer por merecê-lo.
    Um beijinho a todos aí em casa ;-)

    ResponderEliminar

  11. "Tarde vem, quem nunca chega"
    Levando o selo, a minha deusa Thémis passa a ser nossa e ela agradece...

    A família também agradece o beijinho!

    Bjs

    ResponderEliminar
  12. entre essa e a das fardas da Mocidade Portuguesa para comemorar o Cewntenário da República, venha o diabo e escolha...

    ResponderEliminar
  13. Carlos,

    Acho que o diabo escolheu as duas...

    ResponderEliminar
  14. Netos lindos de um avô também lindo e... babado!
    Pois que comam o que lhes apetecer sem exageros dietéticos nem fantochadas papais. Cá em casa sempre se comeu de tudo um pouco e ninguém acusa insuficiências proteicas ou vitamínicas, e ainda menos obesidade. Mesmo um hamburguer do MacDonalds, desde que devidamente compensado com saladas e fruta, de vez em quando até sabe bem...;)
    Beijo grande.

    ResponderEliminar
  15. Guida,

    "Fundamentalismos criam obesos ou anémicos"

    Bons olhos te leiam, querida amiga!

    Beijos

    ResponderEliminar