01 junho, 2010

Compromissos necessários para um circulo diferente e virtuoso


Não queiram saber a trabalhera quê tive para encontrar esta foto do Conselho Económico e Social. Meti vária palavras, nomeadamente: Conselho Económico e Social; reunião do Conselho Económico; Helena André preside ao dito. Sabem o que o Google me dava sistematicamente? Eu digo: Imagens do Lula da Silva. Verdade! Experimentem...

Pensei nas razões e a conclusão foi: De facto nunca em Portugal houve qualquer concertação económica com os parceiros sociais. Houve sim, anúncios de factos consumados, em torno da Concertação Social. Assim, sem qualquer precedente nem experiência, tenhamos a esperança de que os senhores da foto possam assumir a paternidade do seguinte "circulo virtuoso" e, de seguida; se comportem conforme os compromissos aí assumidos em torno disto:

Também neste esquema, as imagens valem mais do que umas dezenas de palavras. Contudo, para que não restem duvidas, entenda-se que se está perante um punhado de novas políticas. A saber:

- ACABA A MAMA - Significa: que as Offshore estão tramadas e que o dinheirito regressa em condições a definir; que os dividendos serão justamente taxados; que a economia paralela vai à vida; que combustíveis, energia e comunicações passarão a praticar preços-crise nos seus fornecimentos às PME; que os escalões do IRS serão revistos de forma a verem aumentada a sua incidência nos escalões mais elevados:

- CREDITO VOA Pª AS PMEs - Significa que durante um período a definir as disponibilidades de crédito serão: severamente restritas no apoio ao consumo; zero para as grandes empresas (se querem investir que o façam com os lucros gerados); Prioridade absoluta para PMEs em condições de clara contrapartida de investimento útil.

- O resto da imagem, tem leitura fácil. O modelo assenta no pressuposto de que a melhoria do emprego e poder de compra geram condições para alavancar o crescimento e, assim, alargar-se a classe média e o "acesso aos bifes"...

Nas ruas, no passado dia 29, milhares reclamaram estas medidas. Se, como se espera, aqueles senhores da fotografia de cima derem respostas aos senhores desta fotografia em baixo, então eles poderão considerar-se padrinhos de um novo Portugal...
Amanhã teremos notícias,
mas a avaliar pelo que é dito aqui,
nada do que está escrito neste post
se poderá vir a confirmar...

10 comentários:

folha seca disse...

Caro Rogério

Tenho cá a impressão que os camarões provocaram um ligeiro efeito alucinante. Se calhar foi ao Pingo Doce comprar daqueles camarões manhosos, made in Tailândia.
Mas até está certo. A minha duvida é se quem "decide" percebe a sua teoria.
Mas pronto "sempre que um homem sonha"
Abraço

folha seca disse...

Caro Rogério
Desculpe mas hoje estou chato (há dias)
Sobre as PMEs um destes dias disse-lhe que era uma grande treta.
Como sei que o meu caro tem mais tempo e "jeito" para estas coisas, desafio-o a desmistificar isto. É que no mesco saco metem coisas que vão duma empresa com 15 ou 20 trabalhadores e outra com 249 e quando se trata de apoiar, "uns comem tudo"
Abraço

polittikus disse...

Acho que é senso comum, uns comeu tudo, outros ficam com os restos. Sempre foi assim e infelizmente não venho forma de mudar...

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Não tenho grandes esperanças. Isto, para dizer nenhumas. E há uma coisa em relação às PME. Quando elas engordarem ( as que engordarem) e crescerem viçosas, vêm os gltões e compram-nas...

Rogério Pereira disse...

Caro Folha Seca,
Meteu-me numa alhada, com a questão que me coloca e o pedido que me faz. Não lhe volto as costas. Agendarei para um post próximo a minha reflexão sobre a forma desastrada como tem sido tratado aquilo que muitos consideram ser um motor da economia, até pela dimensão (lembro de que estamos a falar de 255 Mil empresas, correspondendo: a99,6% das empresas nacionais; 75% do emprego criado; 58% do volume de negócios realizados em Portugal).

Combinado?

Rogério Pereira disse...

Caro Polittikus

Que falta de esperança é essa?
Se a minha se lhe assemelhasse, fechava a loja, metia a viola no saco, considerava-me morto até que a morte chegasse...

Ser Calimero?
Também não quero!

Força amigo!

Rogério Pereira disse...

Carlos,
Vamos ver se entendi.

Formamos sociedade e montamos um negócio. Tem pés para andar e alargamos a sociedade ao Folha Seca e mais tarde ao PolittiKus. TRiplicamos os empregados e quintuplicamos as vendas. Chegam uns senhores que nos propõem a compra. Vendemos. O que é que tem? Desde que nos tenha pago o valor real ou considerado aceitável pelos 4.

O pior Carlos, é se a aquisição do negócio tem como único fim aa eliminação de um concorrente nacional. A Mague foi comprada para ser fechada. A Sorefame foi comprada para ser encerrada. A SN foi privatizada para a deixarem cair. E o Governo a ver... Qual Governo? Este, aquele e o outro. Para politicas iguais resultados iguais. Mas isto não é a vida. A vida é outra coisa...

Resposta longa? Não há forma de a encolher...

Abraço

Anónimo disse...

Eu sou pelo "Circulo Virtuoso". Tenho as mesmas apreensões relativamente às PMEs que o Folha Seca manifestou. Gostei do modelo. Só não gostei de ser afastada de sua sócia, nesse negócio que começa com o Carlos. Estou zangada consigo!

Mas aida assim, envio-lhe um bj

Maiúka

Isa GT disse...

Andam para aí umas estatísticas de quantas PME andam a fechar ao trimestre, daqui a pouco já não há nenhuma. Uma das razões porque o desemprego continua a crescer e não pára.Portugal vai ficar a pertencer a meia dúzia, um grupo de amigos e respectivos familiares com um exército de escravos ;)
Bjos

Rogério Pereira disse...

Isa,
Vamos dar cabo deles?
Bora lá...