23 junho, 2010

Regionalização, a evolução registada



Existem evoluções significativas entre os mapas. O primeiro da esquerda, editado por um (in)suportável blogue, tem data de Maio de 2007. Aí já se dizia algo como isto: " ... em vez de lutar contra as tendências tradicionais lusas da migração para as zonas litorais e para as cidades, desistiu de o fazer e cedeu de vez à inevitabilidade da desertificação do interior e da concentração populacional nas cidades, especialmente do litoral. A única excepção é a existência de um par de SCUT’s que se destinam a poder levar alguns protagonistas a um par de oásis situados no interior beirão (que se assinalam de forma pouco criativa no mapa original a distribuir pelas escolas), onde existem diversas hipóteses de negócio e que funcionam como zonas de refúgio para amigos, familiares, professores e amigos de alguém." O meu mapa, já mostra evoluções recentes: O Litoral Alentejano foi integrado no deserto o qual se fundiu (leu bem, escrevi fundiu) com a designada Zona Desactivada para dar lugar a uma Região a Alienar em conjunto. Na aquisição do todo oferecem-se boas praias, um CD com a canção "Porto Covo" e mais os referidos Oásis. Oferece-se ainda a garantia de quem comprar não vai ser importunado por malta do pé-descalço. O preço das portagens, nas tais SCUTS, serão forte garantia disso mesmo, como se prova pelo entendimento entre o Governo e o PSD....



NOTA FINAL: O novo mapa, contrariamente ao que aconteceu com o primeiro, não será distribuído nas escolas, pela simples razão de em 2013 estas já não existirem...