02 junho, 2010

- Queque queres? - O piorzinho!


Enquanto aguardo impactos e reacções à proposta de implementação do "Circulo Virtuoso" que haverá de salvar o País (ver post de ontem) e espero o que Manuel Alegre vai dizer hoje na "Grande Entrevista", fui à procura de queques de manteiga. A minha Teresa gosta de queques. A filha mais nova, deu indicações sobre onde os encontrar, fresquinhos e deliciosos. Fomos lá. No mesmo estabelecimento, lojeca de bairro, lá estavam. A minha Teresa ficou com os olhos neles. Eu fiquei com os olhos nas folhas A4, policopiadas com um poema, em cima do pequeno balcão. O queque, tu queres? (pergunta-me ela). Não, eu quero o poema! (respondi eu). Pode levar! (disse a empregada que por certo não sabia que me estava a dar o piorzinho):
-
O PIORZINHO (poema de oferta a quem compra queques)

Se ao menos pudesse pôr-te numa sacola e jogar-te ao rio.
Se ao menos o rio fosse para lá de toda a dor.
Onde é o fim do mistério que nos cobre?
Em que mar se espelham as dúvidas que acarinhamos?
Estou-me nas tintas.
Rebentam-se as águas da minha indiferença.
Vou fazer uma viagem até ao médio consciente.
Vou tentar lembrar-me o que feriu a vontade,
o que atrasou o passo ao sonho.
Eu ia tão bem pelo devaneio afora.
Já tinha família e sentimentos,casa e uma bicicleta.
Quem te disse que precisava da tua ajuda?
Chamei-te?
Ana Ventura, assina
Para queques ou poemas vá ao "O Grilo", fica no Alto dos Lombos, em Carcavelos