19 junho, 2010

'Memorial do Convento' e 'Lusíadas' os menos preferidos. "A Maio Flor do Mundo" a mais amada...

Quando, na véspera da sua morte, José Saramago leu (papel) e releu (on line) o DN, que terá pensado?
-
“O Memorial do Convento, de José Saramago, e Os Lusíadas, de Luís Vaz de Camões, são as duas obras que os alunos de Português do 12.º ano menos apreciam. Dado que, para a vice-presidente da Associação de Professores de Português (APP), deve obrigar os professores a encontrar formas atractivas de captar a atenção dos alunos”.
É este o texto, que
pode ler aqui, editado pelo DN online e também em formato papel, do dia 16, véspera da morte de José Saramago. Os textos são iguais, as fotos não. Enquanto no formato papel apareciam, lado a lado, os livros tão pouco apreciados. No formato digital, aparece a foto acima sem qualquer referência visual à obra de José Saramago. Mera distracção? Apagão do suporte magnético? Extravio da “pen”? Tenho pena, mas não consigo responder…

Conta-se hoje, depois daquele pequeno incidente (de que apenas eu terei dado conta), que José Saramago terá tido uma morte serena, muito a fazer sentir que partia tranquilo, com aquela tranquilidade de quem sente que fez todos os dias aquilo que é exigível que um Homem faça todos os dias, e… deixe obra. Contudo, essa tranquilidade na partida tem duas leituras:
Saramago resolve “partir” ao saber desta pequena distracção do DN, entendendo-a como sinal de que está sujeito ao lento e persistente apagamento da sua obra e pensamento. Neste caso, terá resolvido morrer, acreditando que o seu desaparecimento é o seu último acto contra quem sempre o quis silenciar, distorcer a mensagem, vilipendiar a obra e denegrir o homem. Outra leitura, vai em caminho oposto. Saramago morre tranquilo porque sabe que deixa um suporte de força enorme (a sua Pilar), uma estrutura (
a Fundação José Saramago) e uma imensa corrente de solidariedade. Saramago parte seguro que não mais será esquecido.


As crianças tem a vida mais facilitada que os adolescentes que são confrontados com a leitura obrigatória do "Memorial do Convento" (não seria mais pedagógico, que a escola começasse por leituras mais acessíveis como por exemplo "Levantados do Chão" e, assim, despertar o interesse pela sua leitura?). De facto é ver a pequenada mobilizar-se para trabalhos vários, cheios de criatividade e amor...

Pode aperceber-se do que está acontecendo, com os "ateliers a Maior Flor do Mundo", obra da Fundação que assegurará que pelo menos as crianças não o esquecerão. E os velhos como eu, também não!

7 comentários:

  1. Como tenho esta mania das conspirações, acho que ao ser obrigatória uma das suas obras mais difíceis, será uma sofisticada maneira, dos jovens ficarem, automaticamente, alérgicos a todas as outras, mas isto serei eu a pensar parvoíces ;)
    Bjos

    ResponderEliminar
  2. Eu tive o privilégio o ano passado, através das minhas aulas de Literatura ( frequento a Universidade Sénior)ter uma professora que nos "ensinou" a ler Saramago (se assim o posso dizer).
    Confesso que anteriormente também não tinha apreciado "O memorial do Convento" e depois de o reler com (outra mente e outros olhos)fiquei fascinada com a profundidade da obra.
    Agora pergunto:
    -Não será também que alguns professores não sabem ensinar Saramago?

    Bom fim de semana

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  4. Amigo Rogério!

    Ainda bem que te conheci...
    desculpa se já vou entrando sem subtilezas de formalidades que não interessam a ninguém...assim penso eu!!!
    Se não estiveres de acordo, diz!

    O texto está fantástico.
    Nas conjecturas que te ocorreram, eu opino pela segunda; Saramago morre tranquilo com a sua amada, sentindo que estava cumprida a sua missão, que será imortal pela sua simplicidade e mestria.

    Bem-hajas.
    Postei no Rau a minha homenagem, bem diferente da que leste no Sempre Jovens.

    Beijo
    Ná de FerNAnda

    ResponderEliminar
  5. Rogério

    Mais uma vez surripiei (desta vez foi só o canto direito) do seu post lá para o meu "Largo"
    Espero que mais uma vez me desculpe.
    Abraço

    ResponderEliminar
  6. Ainda sou do tempo em que José saramago, não fazia parte da literatura obrigatória dom currículo escolar, mas o frete do zarolho, parece que continua nestas gerações. É pena, são dois grandes autores e agora ambos falecidos...

    ResponderEliminar
  7. Ontem, não andei por aqui, nem por fiz romagens pela blogosfera. Estive, em família, escondendo emoções e o luto. (Sim! As famílias também servem para isso...)

    Obrigado a todos!
    (prometo-vos que futuras ausências serão igualmente breves...)

    ResponderEliminar