31 agosto, 2011

Faz hoje os anos que eu tenho e vai festejá-los connosco, na Festa (aquela, a que não há outra como ela)



"Às Vezes o Amor", na Festa do Àvante

(...)
E se um dia a razão
Fria e negra do destino
Deitar mão
À porta, à luz aberta
Que te deixe liberta
E do pássaro se ouça o trino

Por te querer
Vou abrir em mim dois espaços
P'ra te dar
Enredo ao folhetim
A flor ao teu jardim
As pernas e com elas braços

Às vezes o amor
No calendário, noutro mês, é dor,
É cego e surdo e mudo

E o dia tão diário disso tudo
(...)

------------------- Sérgio Godinho