31 maio, 2015

A segurança social acaba se a omissão e o wrestling continuarem a enganar o pagode

Os dados ao lado são do Expresso, jornal que a Minha Alma recomenda expressamente não ler (mas nem sempre seguimos o que a nossa alma recomenda), e que vejo repetido num outro lado, sob um título expressivo:

segurança social, ponto da situação: acaba em 2030


Dá o citado por certo que as propostas conhecidas, que o citado ignora, nem serão discutidas, talvez porque ele (também) esteja enfeudado às maiorias encontradas de entre os que decidem, no chamado "arco do poder"... 
 _____________________

«Questionado sobre a forma como pretende resolver o problema da sustentabilidade da Segurança Social, o PCP enviou uma resposta ao PÚBLICO na qual destaca quatro medidas: Uma é a “eliminação das isenções e reduções da TSU que fazem perder mais de 500 milhões [de euros] de receitas por ano”. Outra passa por combater e recuperar as “dívidas à Segurança Social, que cresceram enormemente com o Governo PSD/CDS-PP, devendo ultrapassar largamente os 10.000 milhões de euros”. A terceira pretende completar o actual sistema de cálculo das contribuições com um outro baseado no lucro das empresas, ou seja, as grandes empresas, com lucros superiores a meio milhão de euros, contribuiriam mais para o sistema. A quarta passa por reforçar o Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social através do imposto de 0,25% sobre as transacções financeiras. A estas medidas associam-se outras como a aposta na produção nacional, na criação de emprego, no aumento dos salários e do salário mínimo nacional.»

Não sabemos se outros terão respondido ou se limitaram as respostas ao wrestling com que distraem fazendo aparências de luta quando estão de acordo nas questões de fundo.

4 comentários:

folha seca disse...

Caro Rogério
Neste Domingo em que me mantenho por casa, não deixo de dar uma espreitadela por aqui, sim porque pela outra banda o meu caro barrou-me o acesso.Tudo porque a ideia que tenho da alma é só uma coisa simbólica (tanto que pode ser vendida e comprada ao diabo) sem que isso signifique qualquer coisa quanto ao carácter e verticalidade do portador de determinada "alma" que para mim é apenas o simbolismo de determinado estado de "espírito".
Bem. Para mim cuja vida está assim meio para o acabado, gostaria muito de ver qualquer coisa que me animasse e mobilizasse no sentido de voltar a acreditar em algo que teve esse efeito durante parte considerável da minha vida. Mas não vejo!
Porque escrevi isto. Não sei? Mas já que aqui está...Fica, se me der licença.
Rodrigo Henriques

Rogerio G. V. Pereira disse...

Rodrigo,

Neste espaço
o acesso nunca lhe será barrado
É um principio
meu nem precisa pedir licença caro amigo

(não tenho espírito facebookiano,
só lá vou por distração ou por engano)

Paulo Alves disse...

Não tenho qualquer dúvida que o PCP resolveria o problema da Segurança Social.
Esse e todos os outros: bancos, seguros, empresas, familías etc.
Só não entendo o motivo pelo qual os países que ainda professam essas orientações doutrinárias apresentam estranhas taxas altas de homicídios (Venezuela) e tão baixos salários para quem arduamente trabalha (30 dólares, em Cuba).

De qualquer forma, por cá, todas as reformas que foram feitas, até agora, na Segurança Social resultaram em pleno para os actuais beneficiários dela. Isso é inquestionável.

Cumprimentos.

Agostinho disse...

O problema da SS não são os números são os inumeros interesses instalados que vêem em tudo uma OPORTUNIDADE. E o governo tem o desígnio superior de facilitador da negociata: feirantes.