14 maio, 2015

Sampaio da Nóvoa e o "padrinho"

José Barata Moura, apadrinhou o novo Doutor da UAlg, Sampaio da Nóvoa.
Do "padrinho" tenho escrito, não muito, mas o suficiente para que se retire por conclusão se tratar de boa gente. Boa gente e animada, desde tempos idos em que estimulava as refeições da gente miúda cá de casa fazendo com que a minha João comesse mesmo a papa.
De Sampaio da Nóvoa, nem falo pois considero, para já, assunto arrumado. E se guardo os discursos de um e de outro é apenas para ir conferindo o que irei, ao longo do tempo, vendo e ouvindo. O que farei? Logo se verá!
E se alguém, maldoso, quiser colocar na pena deste escrevente entendimentos dúbios, desde já declaro que o uso da expressão "padrinho" foi assim comentada pelo próprio:
«Começo – desmanchando a protocolaridade destes actos grandes – por uma pequena declaração de interesses:
Não gosto – nada mesmo – de me ver na farpela de «padrinho».
Sobra-me, no perdigoto, a falta de jeito na calçadeira, para fazer com que o pé encaixado na bota bata.
Ademais, entendo que - na dispensação de uma honra - prima o merecimento endógeno daquele a quem ela é conferida.
Atestados de excelsitude avulsa, benzeduras de padroeiro, patrocínios de tutela – relevam das proclamas do perfunctório.
Um ser humano vale pelo que é. Pelo que fez, e pelo que faz. Pela feição em que acomete as fronteiras do fronteiro. (...)»

4 comentários:

Maria Eu disse...

Conheço há muitos anos Sampaio da Nóvoa. É um homem com um pensamento sério e reflectido sobre política sendo um político sem que alguma vez andasse nos meandros partidários. Gosto dele!

Beijos, Rogério. :)

Graça Sampaio disse...

Bolas, Rogerito, o menino assustou-me! É que, para mim, o Padrinho é o escavacado de Belém. Padrinho do "governo", do BPN, do BES, do Duarte Lima, etc. etc. Agora este padrinho é bem diferente: conheço-o do tempo da Faculdade embora ele estivesse já no 4º ano quando eu entrei para o 1º; e conheço-o das belas cantigas para os miúdos nos bons anos 70; e da sua boa faceta de bom Reitor. Gosto. Gosto.

Olívia disse...

Estas cerimónias são meio "esquisitas" mesmo!
Simpatizo com esta dupla - afilhado e padrinho.

Lídia

Menina Marota disse...

Eu sou como S. Tomé... ver para crer...

E... as vistas têm andado muito míopes...

Um abraço