10 maio, 2015

Empreendedorismo, a doença senil do capitalismo - 2 [Escandaliza-se o mundo com o transporte de um menino dentro de uma mala. Não se escandaliza se lhe é transportada a alma?]


A partir dos seis anos, um caminho completo para o meu neto (julgo que a Maria, pela a distância, está mais protegida, ainda que não tenha disso qualquer garantia). A organização* assegura “voluntários oriundos do mundo empresarial”. Estes seguem  um programa que lhe embalará a alma, que a encaixará e transportará num molde comum e normalizado. O modelo, mete medo, os voluntários ensinarão "o que são as profissões, as finanças, ao desenvolverem ideias, construírem o primeiro plano de negócios, gerirem as suas próprias mini-empresas, os alunos aprendem a tornar-se empreendedores a partir dos 6 anos”. 
Em cerca de 500 escolas, são já 200 mil os meninos que se visa transformar em quadros escravos dos Soares do Santos, Amorins e Belmiros. 
Escandaliza-se o mundo com o transporte de um menino dentro de uma mala. Não se escandaliza se lhe é transportada a alma?
*A JAP é a congénere portuguesa  de uma organização internacional, Junior Achievement, desenvolvida a partir de uma associação criada nos Estados Unidos em 1919 e que actualmente desenvolve acções em 122 países. Têm como associados grandes empresas e instituições. A direcção do ramo português é constituída, entre outros, por representantes dos grupos Mello e Jerónimo Martins, das Fundações EDP e PT e da Sonae (proprietária do PÚBLICO).