24 janeiro, 2016

"E o Sol brilhará para todos nós"... mas não será para já!


Afinal o eclipse aconteceu, vai passar? Ir vai, mas vai demorar...

18 comentários:

Alexandre de Castro disse...

À cavacada, sucede a martelada. Eu não sei se foi eleito um Presidente da República ou um comentador televisivo do fait divers da política.

Elvira Carvalho disse...

Lamento que mais uma vez as minhas esperanças tenham sido goradas. Mas era de esperar. Com toda a imprensa ao seu lado, desde o inicio do século, com toda a direita unida para dar a volta às últimas eleições, e a esquerda dispersa por 8 candidatos...Vamos lá a ver se ainda cá estou dentro de 4 anos.
Um abraço

Catarina disse...



Já há um cognome!!

Impressionante!! : ))

Lídia Borges disse...

Como Sttau Monteiro, a Graça Sampaio diz que "Felizmente há luar"

Fui espreitar e não é que há mesmo!

Bj.

Rogerio G. V. Pereira disse...

Se o Tino
andasse há quinze anos
a pregar
tínhamos que o gramar?
Talvez!,
ainda que com um pouco mais de abstenção

Rogerio G. V. Pereira disse...

Três factores foram determinantes:
- a televisão e os que lá estão
- a outra televisão e os que lá estão
- e ainda a terceira televisão e os que lá estão

E depois há outros que, não sendo menores, também contaram

Rogerio G. V. Pereira disse...

Tenho outro: malabarista

Rogerio G. V. Pereira disse...

Metido no meu buraco
nem dei pelo facto

Há mesmo!

Fê blue bird disse...

Amigo Rogério, ontem ao ver este eclipse, lembrei-me logo deste poema de Sophia de Mello Breyner Andresen.


Esta gente cujo rosto
Às vezes luminoso
E outras vezes tosco

Ora me lembra escravos
Ora me lembra reis

Faz renascer meu gosto
De luta e de combate
Contra o abutre e a cobra
O porco e o milhafre

Pois a gente que tem
O rosto desenhado
Por paciência e fome
É a gente em quem
Um país ocupado
Escreve o seu nome

E em frente desta gente
Ignorada e pisada
Como a pedra do chão
E mais do que a pedra
Humilhada e calcada

Meu canto se renova
E recomeço a busca
De um país liberto
De uma vida limpa
E de um tempo justo


Renovemos o canto !

um beijinho

São disse...

O eclipse foi tão grande que até Jerónimo deu uma de Arroja.

Boa semana

Rogerio G. V. Pereira disse...

Passou-me o pranto
e renovei o canto

Sem Sophia e sem si
Não sei o que seria de mim

Rogerio G. V. Pereira disse...

Sobre o (bom) discurso de Jerónimo
bem podia ter referido outra parte
das muitas que o discurso teve

São disse...

Sim, gostei do discurso, mas magoa mais quando estas coisas vêm de quem jamais se esperaria

Rogerio G. V. Pereira disse...

Eu também não achei bem, mas não valorizei. Entendi o comentário no contexto em que a imprensa tratou discriminadamente a campanha da Marisa em prejuízo da do Edgar...

O que magoaria, isso sim (e muito) é se o PCP (e, neste contexto, o Jerónimo) fizesse do BE um seu adversário político.

Faço notar que se tratou de um aparte...

Aproveito para lembrar que o PCP reunirá amanhã o seu colectivo...

São disse...

A comunicação social portuguesa está pelas vielas da indecência...e , claro, seria muito mau se Jerónimo considerasse o BE um adversário político, quando temos que estar unidos contra a Direita.

Pronto, passou...

Rogerio G. V. Pereira disse...

Não, não passou! A dita comunicação social explorará a situação
até à exaustão

Janita disse...

O SOl quando nasce é para todos, amigo Rogério!
Se alguns gostam de se colocar à sombra, isso já é problema deles!

Não se preocupe com o que o seu chefe disse de menos bom- até os mais calejados deixam escapar o que não deviam - a comunicação social pode, eventualmente, 'explorar' o assunto, à falta de melhor, mas vai acabar por cair no esquecimento.
Não costumamos dizer que o povo tem a memória curta?

Abraço fraterno!

Rogerio G. V. Pereira disse...

O que eu costumo dizer é que o povo é o verdadeiro protagonista da história...
mesmo quando dorme...
conta a hora
em que acorda