31 janeiro, 2016

É o Bill Gates o pai e Melinda a mãe? Ao certo, ao certo, não sei. O que é certo é que os mosquitos apareceram e não foi do nada que eles vieram!

«(...) Bill tornou-se muito rico, o mais rico dos ricos, e criou uma Fundação - de benemerência, claro (tudo o que Bill faz é sempre para benefício dos outros e nunca jamais para seu prejuízo pessoal).  
Bill teve então outro sonho, como o dos computadores. Só que com mosquitos. Bill sonhou que transformar mosquitos em vacinas era uma solução benemérita para acabar com algumas doenças que afligem a humanidade em países pobres e, em simultâneo, lograr destes uma renda fixa que lhe garantiria o aumento exponencial do pecúlio para a eternidade.
.
Com a ajuda de cientistas pouco escrupulosos (a Fundação Bill e Melinda Gates pagou a pesquisa) e de elites corruptas e desmioladas de países como o Brasil, as ilhas Caimão e a Malásia por exemplo, conseguiu tornar o sonho possível. 

Só que o sonho molhado de Bill, o super-negócio do mosquito-vacina, está a transformar-se no pior pesadelo de todos os países sub-tropicais: o vírus Zika e a microcefalia. 
Há, no entanto, quem diga que não foi apenas uma boa ideia que correu mal (como a do Dr. Frankenstein ou a da invenção do plástico) e que se trata isso sim de uma estratégia cínica e deliberada de exterminação; genocídio premeditado - de eugenia, selecção artificial. Eliminação daqueles que os ricos, como Bill, acham inferiores. Controle da população para controlar os bens alimentares. Dinheiro. Poder (...)»
ler (e ver) tudo no Sítio dos Desenhos 

12 comentários:

Janita disse...

Estive a ver o vídeo e a ler o que foi escrito, lá no Sítio dos Desenhos.

A ser verdade que a experiência- do cruzamento dos mosquitos transgénicos com o mosquitos fêmea selvagens - tenha sido levada a cabo com intuitos criminosos e não como seria de esperar, já que em laboratório a experiência resultou, segundo foi dito, é demasiado horripilante para ser verdade.
Custa a crer. Um holocausto do século XXI?
Com a praga à solta, qualquer pessoa pode ser infectada. Não apenas a população mais pobre. Inclino-me para a hipótese de a coisa não ter resultado como esperado.

:(

Rogerio G. V. Pereira disse...

É conhecido o meu horror ao café sem cafeína, ao tabaco sem nicotina, à cerveja sem álcool, à coca light e... à manipulação genética

É conhecido o meu horror ao investimento em armamento

É conhecido que a imprensa escreve e dá a ver o que quer que pensemos, escondendo o que ela própria pensa...

Tudo isso é conhecido, só que acham que isso que é por demais conhecido acontece só por acaso... por erro... e não porque, à partida, esteja errado...

Estamos, não perante a possibilidade de um holocausto, mas de vários. A questão é saber qual chega primeiro!

O Puma disse...

... e agora só falta o BILL ser picado

Fê blue bird disse...

Meu amigo, desculpe mas tenho que me esconder, não ver, não saber.
Tudo isto é demais para mim.
Cada vez mais me refugio nas coisas belas, nas coisas simples, defeito meu.

Beijinho

maceta disse...

bela caricatura, dois ou três traços e a cara do homem está lá...

Rogerio G. V. Pereira disse...

e a Melinda...

Rogerio G. V. Pereira disse...

Não está só
Quase 10 milhões padecem do mesmo

Rogerio G. V. Pereira disse...

O Fernando Campos merecia
outra atenção
eu dou-lha
mas muitos não

(e não é apenas ao traço
é também ao texto)

Elvira Carvalho disse...

Li o texto ontem, hoje reli e vi o filme. E é tudo tão monstruoso que nem sei que dizer.
Um abraço e uma boa semana

Rogerio G. V. Pereira disse...

O insólito
é que
o tão monstruoso
não é produzido por um monstro
mas sim
por um homem, endeusado

Maria Eu disse...

Estarrecedor! :(

Beijinhos, Agostinho :)

Maria Eu disse...

Agostinho?!!! Jasus! Vinha do blog do Agostinho e pimba!

Beijinhos Rogério :)