21 agosto, 2010

Homilias dominicais (citando Saramago) - 3

“Ich fühle mich in erster Linie als Portugiese, in zweiter Linie als Iberer und erst in dritter Linie als Europäer."
("Eu sinto-me principalmente como Português, em segundo lugar como ibérico e apenas em terceiro lugar como europeu".)

HOMILIA DE HOJE

PERGUNTAM-ME SE ME SINTO PORTUGUÊS - Tenho mantido silêncio feito de muitas palavras nos últimos posts com este titulo e que ocuparam este meu espaço nos últimos dias. Meias respostas à questão se me sinto, ou porque me sinto se é que me sinto, português. Primeiro, destaquei um ressurgimento, que penso existir, na música popular portuguesa com jovens a (re)voltarem às raízes do ser-se português. Reencontro com eles valores que me dão orgulho de um passado. Depois, seleccionei poetas que, pelas palavras em forma de lamento, me fazem sentir um bem-me-quer da Pátria para mim e de mim a este meu lugar. Mas, manteve-se a ausência de respostas, até chegarem as palavras de Saramago.

A MINHA IDENTIDADE COMO PORTUGUÊS - Diz-me José Saramago: “A busca do Outro talvez seja o caminho pelo qual cada um de nós consegue chegar a si próprio. Para aproximarmo-nos àquilo que somos temos de passar pelo Outro.” (1)
Ontem, o "Outro" foram todos os povos e civilizações que buscámos e com que nos cruzámos; hoje, é o confronto com a Europa onde sempre estivemos e com todo um mundo que vive uma globalização que muitos consideram irreversível. A grande questão se me sinto bem português encontrará resposta na minha satisfação em aceitar que o Outro seja a Europa. Se for, acho que perderemos todo o nosso passado e, com ele, a nossa identidade de povo.
Ao axioma Camoniano “Aqui onde a terra acaba e o mar começa” colocar-se-á a formulação desafiadora de Saramago “Aqui o mar acaba e a terra principia”(2). Cumpra-se o mar, como nosso verdadeiro chão e como nosso destino.

ANTIEUROPEÍSTA? - Não! Apenas e tal como Saramago, coloco a Europa em terceiro lugar e para dar finalmente resposta, sinto-me um português que espera ver esse seu sentir em primeiro lugar ou, se tal não for possível que a "Jangada de Pedra" nos aconteça...

(1) in "No Ano da Morte de Ricardo Reis"
(2) José Saramago citado por Blockeel, Francesca, Literatura Juvenil Portuguesa: Identidade e Alteridade