21 junho, 2011

O último acto público de uma ministra?... (coisa escondida, que ninguém quis mostrar...)

"... A morte apaixona-se pela vida. Saramago humaniza a morte. A morte assume um rosto humano, feminino e irresistível, que só a música é capaz de vencer.
A música e o amor.Por isso celebramos a conquista da vida sobre a morte, com MÚSICA, com as PALAVRAS VIVAS DE SARAMAGO, com o amor que todos dedicamos a quem o valorizou como fonte de VIDA
.
"
Gabriela Canavilhas
Ministra da Cultura


The Navarra Quartet at the City of London Festival, por indisponibilidade da versão da Orquestra Sinfónica Portuguesa
"Depois das palavras, a música. Haydn, As Sete Últimas Palavras de Cristo na Cruz. A Orquestra Sinfónica Portuguesa, dirigida pelo Maestro Moritz Gnann, as palavras de José Saramago. Ao acto, música e palavras, incorporou-se a vida de pessoas que lutaram e lutam contra a adversidade, «gente de pouco ter e muito sentir», segundo escreveu um dia Saramago, de bairros humildes, de emigrações duras, de doenças e de torturas, vítimas da sociedade que se uniram a Saramago perguntando a Deus se realmente sabe o que faz. Uma concepção de cena de Teresa Villaverde, que contou com a assistência de António Gonçalo e Joana Villaverde, de José Luís Peixoto e de outros amigos."
(indispensável, ler aqui)