25 janeiro, 2017

Poesia (uma por dia) - 87


Poema
No tempo em que os poemas falavam
havia uma madrugada para florir
um aroma de alecrim em cada mão
em cada olhar inocente uma prece
um povo inteiro a rogar redenção.

Calam-se agora os poetas ao verem
paradas as naus, e o mesmo povo
contente, co’ a liberdade de dar
aos vampiros de sempre,
sua carne, seu sangue em dádiva
consciente.

Cale-se então o poeta
que estrangeiro se sente
no seio da própria gente.
 Lídia Borges
"Seara de Versos"