13 janeiro, 2017

Que merda é esta? Deixem sossegadas as crianças... II

Se disserem que sou contra o empreendedorismo eu desminto. Agora, não concordo é com isto.
Há uma idade adequada para tudo... as crianças brincam, os adolescentes descobrem-se a si mesmos e os jovens vão à luta. Tudo tem seu tempo. E se Oeiras se orgulha do elevado nível de vida que tem, porque não adopta as práticas de países avançados?
Não pode? Faça por isso! Eu, por mim, alinho!

9 comentários:

Anónimo disse...

Embora o termo "empreendedorismo" tenha, em mim, ficado indelevelmente associado ao neo-liberalismo e seja, portanto, muito difícil, para mim, "dar-lhe a volta", estou disposta a fazer um esforço. No restante, subscrevo as tuas palavras finais, Rogério!

Abraço!

Maria João

Graça Sampaio disse...

Um disparate do tamanho do mundo!! Qual empreendedorismo, qual carapuça!! Cavaquismos do "caraças"!!!

Morra, morra, PIM!

Elvira Carvalho disse...

Vendo este vídeo, chega-se à conclusão que com tal educação eles vão fazer no futuro um país de sucesso.

Um abraço e bom Domingo

Rogerio G. V. Pereira disse...

Valem os termos
o que lhes pomos dentro
A toada dominante é deplorável
mas há sempre um outro lado
por onde lhe pegar

e esse, não é de enjeitar

Rogerio G. V. Pereira disse...

Curto e grosso

Gosto!

Rogerio G. V. Pereira disse...

Farão!
Não há nenhum homem sério
que possa emergir de um universo
de crianças cuja infância foi castrada

Lídia Borges disse...

Será que a ideia do empreendedorismo na infância é mandar as crianças à sua "vidinha", antes mesmo de crescerem?

Infância "em chama", sim! Pode ser de felicidade ou de "susto".

Lídia

Anónimo disse...

Entendo, Rogério!

Mas não deixo de pensar que há que pegar nos termos com muito jeitinho, porque eles "pesam" muito, mas mesmo muito mais do que parecem pesar...

Abraço!

Agostinho disse...

Vender "banha da cobra" deixou de ser actividade de feirante...
Deixem as pessoas crescer em liberdade que depois elas saberão decidir o que fazer. Como as pessoas são todas diferentes vão ter opções de vida diferentes. Mais, porque será que um operário não pode ser tanto ou mais empreendedor do que o empresário?
Escrito a 100, fico por aqui... isto dava ano para muita roupa.
Abraço.