20 abril, 2011

Os gestos para salvar a flor, tornando-a maior - III

Para fazer renascer a flor, muitos mais de vinte se mobilizaram.
Mas uns terão derramado ao lado outros nem a flor encontraram

Em posts anteriores contei a correria de muitos amigos, em resposta ao meu apelo, dispostos a salvar a flor, na suposição de esta ser a Democracia. Mas se todos se mobilizaram nem esses tantos terão produzido coisas claramente em acerto com o pedido (se assim não foi que me perdoem o mal-entendido). Por exemplo: Sandra disse como resposta "A primeira coisa assim que me lembro é NÃO VOTAR SÓCRATES...", subentendendo ela que desse homem só, dependerá toda a tristeza que por cá reina Disse o que não faria mas não nos disse o que é necessário que se faça. Se deitou a sua água ao lado e não na raiz é uma desgraça. A flor continuará murcha à mingua da sua água. Exemplo diferente, e de certo modo convincente, é o da Isa GT que parece, pura e simplesmente, não ter encontrado a flor. A explicação ela nos deu e a mim quase me convenceu: "isto de salvar a flor, saiu das mãos dos nossos Partidos e passou para as mãos da Europa, a única que pode salvar ou matar a flor." Ao assim falar, ela admite não encontrar a Democracia aquela que há bem pouco havia, embora desfacelida e quase sem vida. Talvez por a terem lido, este e aquele partido se tenham recusado a falar com quem se prepara para se apropriar da flor...
Mas falemos de quem não deixou dúvidas na água que à flor levou. Falemos do folha seca e do que disse e que importa: "Fazer de Abril um grande demonstração daquilo que pensa e quer o Povo." Talvez por lá encontre a Sandra e a Isa. Talvez lá encontre os meus poetas, sempre de palavras tão certas:

Falemos da Lídia Borges ("coisas que cabem numa mão pequenina"... Gotas que, persistentes, salvaram a Flor... Foi preciso, apenas, que o menino acreditasse); Falemos do O Puma (Guardadas que estão as sementes da nossa flor viva um dia serão de novo caminhos de sonho nas mãos de outras crianças); Falemos da vontade imensa do jrd (Levantava o mundo do chão); da Mel de Carvalho que a uma imagem de sonho lhe junta a sua (... sem pão, não há liberdade... nem democracia que valha...) Por fim falemos do heretico, cujas palavras destaco, a finalizar: Há sempre no fundo da terra um húmus insuspeito...... Há sempre o vermelho e o trigo...Sabe-se lá quando explode uma flor!

18 comentários:

  1. Rogerio,

    A Flor,que você fala, infelizmente não será salva só com sonhos e bons pensamentos.
    Eu acho ser necessário um mutirão de todo o Zé Povinho, arrancando e erradicando toda a erva daninha que se instalou ao redor da Flor em condições confortáveis e dela suga toda a seiva. Após esse mutirão ser instalado e restabelecer um perímetro em torno da flor, o gentio poderá conseguir através de novos acordos, agora em outras bases, os insumos necessários ao fortalecimento e vida desta flor, que ai sim, dará novos brotos, saudáveis, puros que perpetuarão a espécie.

    Obrigado por sua visita em dia festivo.
    Um grande abraço

    ResponderEliminar
  2. Caro Rogério
    No momento em que estava a querer comentar este post, recebi uma má notícia. Agradeço a referêcia.
    Abraço

    ResponderEliminar
  3. Tambem eu pergunto: como salvaremos a flor?
    Não vai ser fácil. Agora o seu futuro está nas mãos desses senhores engravatados, que a vieram visitar feitos jardineiros de elite.

    ResponderEliminar
  4. Não importa o dia ou o mês do ano
    que você se encontre,
    importa sim, que no seu coração
    a Páscoa sempre se faça presente,
    e que você possa renovar sempre
    o seu amor com aqueles que
    necessitam
    de uma palavra de conforto nas horas
    difíceis,
    que você torne-se um farol de luz
    a iluminar as trevas
    e caminhe com seu irmão ao encontro
    de Jesus!
    Bjs com carinho

    ResponderEliminar
  5. Não poderia ter terminado melhor o seu texto.
    Não vale a pena exortar. Ser livre é fazer, não tudo o que se quer mas tudo o que se pode e quando a tarefa nos parece grande demais, basta que cada um faça a sua parte.

    Obrigada!

    Um beijo

    ResponderEliminar
  6. Seu blog é muito bom por isso vim até o seu espaço e gostei muito do que li por aqui. Tenho um blog Tb gosto d++ de poemas. E estou te seguindo se VC puder da uma passada La no meu blog. E VAI SER UM PRAZER SE PUDER ME SEGUIR...Bejs . Déia.........
    Esse é o link do meu blog
    http://wwwdeiablog.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  7. Oi Rogério,

    Talvez se cada gesto para salvar a flor equivalesse a um voto consciente e a uma posterior cobrança quanto aos eleitos, talvez assim a flor possa ser salva. Talvez...
    Talvez um gesto para salvar a flor seja uma maior participação das pessoas; uma maior conscientização e politização de cada um. E isso, meu amigo, é perfeitamente possível de se fazer. É um gesto pequeno, mas multiplicado, se feito por vários. E muitos. E todos.
    Dessa forma cada um terá feito a sua parte. Como o garoto que atravessa floresta para molhar a planta.

    Beijos

    Carla

    ResponderEliminar
  8. Em minha infância vivi o resquicio da Ditadura militar, em minha adolescencia aprendi a cultuar o idealismo e hoje na fase adulta creio ser a democracia a flor mais bela e necessária a vida de um povo. Sabemos as dificuldades que temos em acertar para termos nos governantes as pessoas ideias, mas como fazer se ainda mantemos com nossos votos políticos remanecentes da ditadura? Nenhum governo é soberano, mas cabe ao povo se fazer ouvir e dar a flor proteção as intempéries, alimento e rega nos momentos certos, as vezes o exercício da marcha civil se faz valer para renovar a seiva que lubrifica as entranhas da flor e lhe dará vida nova.

    Aproveito e desejo que tenhas uma Feliz Páscoa.
    Abraços

    ResponderEliminar
  9. E a redoma da flor é a Constituição...
    Um bj querido amigo

    ResponderEliminar
  10. As flores são sensíveis, facilmente perecíveis, necessitam de mãos delicadas, de cuidados por parete jardineiros dedicados e competentes... Esses escasseiam.

    ResponderEliminar
  11. Rogério
    Agradeço a referência.
    A minha gota de água é a que já tinha referido, nem adianta insistir mais.
    Para mim Sócrates não é o único culpado de toda a tristeza humana, mas certamente que a sua prepotência, arrogância e falta de humildade em nada ajudam quem queira trazer um rasgo de alegria .
    Não votar no seu "despotismo" parece-me uma primeira medida. É exequível ou não???

    Ouso perguntar , do fundo da minha imensa ignorância:
    Como se levanta o mundo do chão?
    Não fiquei elucidada sobre o que fazer e certamente essa resposta era essencial para o momento que vivemos.

    Lembrar só e por fim que demasiada água pode fazer apodrecer a flor e aí perdemo-la irremediavelmente.

    Há sonho! Ainda bem. Mas sonhar não chega.

    Beijinhos Rogério e uma Santa Páscoa para ti e para os teus.

    ResponderEliminar
  12. O problema da flor está no solo, que apesar de ser fértil, está infestado de químico, por isso, além da água, tem de ser primeiro cavado, remexido e adubado pelo agricultor ou pelo jardineiro.

    ResponderEliminar
  13. Imaginemos que há vários jardineiros a tratar da flor mas sem um plano em comum...Vai um e tira as ervas daninhas, outro, faz um rego maior para que a água possa chegar abundantemente á flor...ainda outro põe adubo sem estudar a qualidade do solo e...de tanto "cuidar" acabam por liquidar a flor....O que falta a este País é concertação: TODOS a puxarem para o mesmo lado, só assim a flor será salva!
    beijo e uma boa Páscoa.
    Graça

    ResponderEliminar
  14. Caro Rogério Pereira, permita-me que esclareça o meu comentário:
    Graça Pereira,quando falo em Jardideiro ou agricultor falo simbolicamente do povo genuíno( não corrupto) que sabe cuidar do seu país.

    ResponderEliminar
  15. «Sabe-se lá quando explode uma flor!»
    Desejo pois uma guerra de flores de todas as cores!!!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  16. "Há sempre no fundo da terra um húmus insuspeito...... Há sempre o vermelho e o trigo...Sabe-se lá quando explode uma flor!"

    Belas palavra. Não há o que se fazer para salvar esta flor. Apenas é necessário fazer. Agir é a palavra. Eclodir é o ato. Mas tudo ao seu tempo acontece.

    Eu de cá tenho minhas flores a salvar. A cada dia revolvo meu pensamento de como e até quando. É mais forte do que nós.

    O que vc faz, caro amigo, meditar sobre, provocar o tema, é o caminho. A ação, esta segue um rumo e tempo próprios.

    Beijo grande,

    ResponderEliminar
  17. Então, volto para te provocar. Vc assistiu aos dois filmes na postagem de hoje? Acho que não. Então, fica o convite para voltar e dar uma conferida.

    Abs,

    ResponderEliminar