19 abril, 2011

Os gestos para salvar a flor, tornando-a maior - II

Será o esforço do menino (e de todos nós) premiado
se a flor se mantiver dentro do paradigma do quadrado?

Quem chegar agora para me ler tem de saber o que está a acontecer. Tem de ter condições para participar na reflexão... Vejamos então: Há dias atrás solicitei, como pedido, que cada um colocasse uma acção que salvasse a flor, sendo que essa imagem seria a da Democradia, definhando murcha por maus tratamentos infligidos. A ressposta não se fez esperar e os contributos foram muitos mais do que os vinte pedidos. Mas, antes, tinha também dado conta que ou o Zé Povinho pensava fora do paradigma ou as coisas irião de mal a pior.
O paradigma por mim desenhado, é um quadrado: Um lado, definido pela pressão do capital financeiro que todos reconhecem especulativo mas inevitável face à situação de endividamento; Outro lado, a pressão da Comunidade Europeia, que todos reconhecem ser coisa feia mas sem alternativa pois a Europa foi o passo necessário e ninguém deve pensar o contrário; O terceiro lado, o do poder em alternancia dos ratões democráticamente eleitos pelos ratitos, sendo que aos não gatões é reconhecida a impossibilidade de ser poder por um milhão de razões que ninguém compreende mas que aceitam como regra do jogo Democrático; O quarto e último lado, o que faz a defeza do quadrado, sustenta a inevitabilidade das pressões e do poder dos gatões. Todo assim desenhado fica o Zé Povinho preocupado entre a opção de ter de continuar a trabalhar para a pressão ou saltar fora do paradigma e incorrer sabe-se lá em quê. Não posso deixar de saudar quem como a Fê-blue bird e a minha Fada do Bosque (incansável, nas vezes que veio de mão-cheia a dar de beber à flor) veio denúnciar o papel da imprensa. Imprensa e não só, vejam só o que me disseram: «Muitas das coisas mais importantes do mundo foram conseguidas por pessoas que continuaram tentando quando parecia não haver mais nenhuma esperança de sucesso.». Isto é pensar fora do quadrado. Mas neste domínio cito o que considero arrojado, contributo da Eva Gonçalves que nos diz: "pretende ideias (ideias é que é preciso, realmente e daí eu ter invocado a sua ideia de pensar fora do quadrado!), a ideia, vem na sequência da ideia do meu conto, mas refere-se à exigência por parte da sociedade civil de uma transparente e mais eficaz ou mais justa regulamentação dos mercados financeiros. Não podemos ser ingénuos pois as instituições bancárias são precisas mas não podem ter rédea soltam lucros imorais sem controle ou exigência de contribuição para o bem social comum! Se as economias se baseiam no pressuposto que os mercados funcionam per si, o que não é verdade... e as injustiças estão aí...então é preciso fazer essa revolução , não são as mudanças dos governos nacionais que vai resolver este problema, pois continuaremos reféns de instituições que nos cotam e manipulam a imagem e pressionam os mercados, a exigència tem de ser a nível global para regulamentar o funcionamento de todo mundo fnanceiro, para além de contrapartidas de uma percentagem desse lucro (autêntica agiotagem...), distribuíndo-o em projectos de desnvolvimento social. E pronto, foi uma ideia." Respondo a esta ideia (sem a colocar de parte) o que diz a minha tambèm incansável , mas por vezes descrente, Janita: "Essa coisa pequenina que cabe na mãozinha de uma criança e pode fazer da nossa Democracia, a Maior Flor do Mundo, será a cruzinha no local certo?...Sim?"


A minha resposta à Janita é sim, e só isso seria a Revolução de que fala a Eva


NOTA: Comentarei em posts seguintes outros contributos

15 comentários:

Fê-blue bird disse...

Meu amigo:
Acabei de ler um livro infantil( adoro livros para crianças) de Matilde Rosa Araújo: "A história de uma flor", sobre outra flor:

“E veio de madrugada misturado com música tão mansa que as sombras se haviam esquecido de tapar a flor.” Virá a ser colhida por uma criança para a oferecer à mãe. E esta irá levá-la pela mão para ver “os milhões de irmãos” da flor que recebera. “Nas ruas havia flores vermelhas por toda a parte. No peito das mulheres, dos homens, nos olhos das crianças, nos canos silenciosos das espingardas. Não era uma guerra nem uma festa. Era o mundo de coração aberto.”

Outra flor que precisa de ser salva, através do nosso voto certeiro.

Beijinhos

Lídia Borges disse...

Como sabe leio as reflexões sempre interessantes que faz e por vezes comento.
Hoje, coloco a tónica numa pequena/grande incongruência que tem a ver com o conceito de "certo" (nas palavras da Janita), conceito que se reveste de uma enorme ambiguidade, pois o certo para mim pode ser o errado para o outro e vice-versa.

L.B.

Felicito-o pela vivacidade que imprime a este espaço

Eva Gonçalves disse...

E posto isto...e ao destaque dado às minhas palavras, acrescento apenas, que EU VOTO consciente! Mas tal como a Lídia muito bem refere, o voto só é "certo" para o próprio... :)Abraço

Fábio Paulos disse...

interessante o blog, também já cheguei a publicar o video desta historia no meu blog, é muito interessante.

Janita disse...

Lídia, penso que o Rogério lhe dará, se o entender, uma resposta mais detalhada a essa "pequena/grande incongruência" que fala e se prende com o conceito "ambíguo" do local certo da cruzinha.

Pela minha parte, o que tenho a dizer, é que neste contexto de dar vida à Maior Flor do Mundo e pela qual o Rogério tem vindo a pugnar à vários dias, é, justamente, que o meu conceito de certo possa ser o mais abrangente possível.
As Revoluções só podem acontecer se as mentalidades forem revolucionadas, e essa é sempre a parte mais difícil.
Se todos queremos uma alternativa para acabar com a especulação dos mercados financeiros e com a corrupção que grassa no País e no Governo, penso que é chegado o momento de juntarmos as gotas de água e dar vida ao Sonho de mudança.
Pela minha parte, assim farei!

Rogério Pereira disse...

Cara Janita,

Não teria nunca o atrevimento de interpretar palavras de alguém que generosamente me comenta (até porque, cedo, lhe apanhei o sentido devido...)

manuel aldeias disse...

Os meus parabens pelo seu excelente blog, que eu visito amiúde, ou melhor, sempre que os meus afazeres profissionais o permitem

Mar Arável disse...

Certo é sempre o que mesmo não crendo

acredita e luta

pela sua diferença

no respeito pelo sonho dos outros

Abraço amigo

Isa GT disse...

Hoje estou aborrecida com o seu chefe e com um outro chefe ;)... não foram pôr os pontos nos is com a troika... pelo menos iam lá infernizar-lhes o juízo... ou mandavam-me lá a mim... acho que davam o dinheiro e ainda davam um bónus para me tirar de lá para fora lol

Há bocado estive a ouvir o Luis Fazenda do BE e pode ter muitas razões mas mesmo assim não estou convencida.
Quanto ao seu chefe também o ouvi e ainda me convenceu menos,
Tenho que desabafar porque, em primeiro lugar sirvo a minha consciência e ela está farta de me chatear com este assunto.
Portanto, hoje não estou muito virada para a floricultura, daqui a nada já não me resta Partido em que a minha consciência me deixe votar ;)

Bjos

Rogério Pereira disse...

Só para a Isa

Então diga lá, para meu desengano
Será que Viriato foi falar com o general Romano?
O D. Nuno com o Castelhano?
E o D. João não daqui abalou sem falar com o Junot?

Mas porque raio deveria o Chefe Jerónimo falar com os camones e os outros caras-pálidas se o que eles querem é tomar conta da reserva?

Janita disse...

Caro Rogério.
Vou entender esse "atrevimento" como audácia, arrojo, coragem.

Foi graças a essa audácia que os Grandes Portugueses de outrora desbravaram caminhos e cruzaram mares nunca dantes navegados, engrandecendo e levando Portugal aos quatros cantos do Mundo.

Cada vez que me convenço mais que Portugal se encontra no estado caótico em que está, por causa do eterno conceito do social/politicamente correcto e da falta de frontalidade.
Queremos algo, sabemos ser esse o caminho certo, mas não temos o arrojo de questionar a opinião de alguém que fez o favor de vir visitar-nos. Assim vamos vivendo nas meias-tintas...preferindo utilizar metáforas.
Respeito todas as ideologias políticas, todas as religiões e todas as opiniões, mas quando acredito vivamente em algo importante, defendo o meu ponto de vista com unhas e dentes.

Qual é a utilidade das campanhas políticas onde se gastam rios de dinheiro, senão, o desejo de transmitir às massas o "nosso" objectivo de fazer mais e melhor?

Já que cada um sabe de antemão o que quer e não tem dúvidas sobre o que é melhor para o País, era preferível poupar o dinheiro das campanhas eleitorais.

Sei que lhe vai parecer muito primário e simplista tudo o que acabei de lhe dizer. Mas, é o que penso e só lamento não saber dizer-lho de uma forma mais floreada.

dja disse...

Rogério como sempre só desejando dias melhores para Portugal.

Beijos em seu coração.

Fada do bosque disse...

... E não é que a Eva fez práticamente o mesmo que eu?! Embora não tenha tido o mesmo sucesso mediático que ela, mas tenho o orgulho de dizer que veio cá a TV, A Praça da Alegria fazer uma reportagem sobre o nosso trabalho... Foi um must de atirar ao chão a rir! principalmente porque apareceram de surpresa e nás com cara de parvos, diga-se de passagem, pois sou anti TV e quando o Helder perguntou:- Costumam ver a Praça da Alegria? e eu respondo:- Não Helder, nós não temos TV! aahahahahahha a cara do rapaz!!! e lá foi dizendo em directo, que éramos uns Hippies chics! :)) Sem TV e sem banca, por pouco que seja o dinheiro esta vida é um descanso!
Ah por falar nisso, hoje o programa na TSF "Mais Cedo ou Mais Tarde" depois do not. das 15.00h é como viver 3 anos sem TV. Ouçam! :)
A minha flor faz hoje anos...21! também estou de Parabéns, um beijinho para todos! :)
Quanto à crise: "Tolo é quem muito come, mas mais tolo é quem lho dá"! Que se lixem os agiotas!
Tá aí a votar no quadrado certo! :))Estou farta do círculo vicioso e especialmente de Cavaco que se viciou no FB e está, com licença, a cagar-se para o País! Ele e o seu bando, pior que o Ali Babá e 40 ladrões, precisavam de uma visitinha do FMI... dos agiotas de topo, bem como toda corja do Bloco Central!
Abraço.

Evanir disse...

Parabens pela sua bélissima postagem .
Eu aplaudo de pé uma postagem assim.
Uma linda noite beijos e beijos ,Evanir.
www.aviagem1.blogspot.com
E
www.fonte-amor.zip.net

Isa GT disse...

Ia lá dizer-lhe o mesmo que nos diz a nós ou a conversa é só para as nossas orelhas... eles também as têm ;)

Bjos