26 abril, 2011

O presidente, os ex-presidentes e a inevitabilidade presente...

.
Os discursos, cada um por seu lado, situaram-se dentro do quadrado.
Mas os quatro refletiram em privado, sem alarde, sobre a inevitabilidade
Só não sei o que o Presidente diz, eloquente. Alguém ajuda? Que terá dito?
(aceito uma sua sugestão, para inscrever dentro do balão)

15 comentários:

Lídia Borges disse...

Aqui está o que "obrámos"!


Desculpem!... Mas não resisti.

Anónimo disse...

Só o Doutor tem cú para fazer uma inevitabilidade destas!

José Luís

São disse...

"Sei muito bem o que dizer em privado e em público!", pelo que não dirá nada, como sempre!

Um abraço com cheiro a cravos viçosos.

folha seca disse...

Rogério
Eu escreveria: "Ó Mario olhe p´ró que nós temos andado a fazer e a deixar que se fizesse. Aqui os colegas estão a querer ficar de lado, mas tambem têm culpa no cartório"

Eva Gonçalves disse...

"Ora aqui está aquilo que deixamos e com que terão de lidar todos os Portugueses!"

Carlos Janeiro disse...

Os 4 cavaleiros do Apocalipse

Mar Arável disse...

... e fomos nós eleitos ...

para uma obra destas

Balha.nos deus

B disse...

Algum excêntrico escultor que maneje essa massa de merda.
Quem costuma dar forma à merda é o G8. Eles cagaram, eles que ajudem.

Adelaide disse...

"Nunca neste país poderá alguém dizer que nós não fizemos nada." a frase dita....
Que convenhamos é de fato uma obra enorme....rsrs
Abraços

Fê-blue bird disse...

Foi mais difícil do que eu pensava, mas a "inevitabilidade" saiu-me assim:)

"E ainda dizem que não faço nada por Portugal? "

Bjs

carol disse...

Remeteu-se a mais um dos seus proverbiais tabús...

polittikus disse...

Quem terá sido o gajo que fez tal monte??

manjedoura disse...

Acho que a frase de Eça de Queirós,“Os políticos são como as fraldas, devem ser trocados constantemente. E sempre pelo mesmo motivo.”, encaixa que nem uma luva.

ariel disse...

Sobre os discursos, temos opiniões diferentes. Já quanto à sugestiva bosta, parece-me bem que fique a cheirar mal durante o mandato do actual inquilino de Belém, já que é o grande responsável pelos alicerces da big shit em que nos encontramos.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Nos últimos dias, a propósito da cerimónia de Belém lembrei-me muitas vezes da sua táctica do quadrado. Só não escrevi um post porque não tinha levado o computador e o acesso à Internet, no luar onde eu estava, era pago a peso de ouro.