21 abril, 2011

Se fosse hoje, Jesus iria ao templo?

Diferem os Envagelhos no pormenor do feito e do dito. Mas algo próximo do que se passou se terá passado. De outro modo, como explicar ter sido Jesus crucificado?

"Ora, estava próxima a Páscoa dos judeus, e Jesus subiu a Jerusalém; e encontrou no templo muitos vendendo bois, ovelhas, pombas, e os cambistas sentados (às suas mesas). E, tendo feito um como que azorrague de cordas, expulsou-os a todos do templo, e as ovelhas e os bois, e deitou por terra o dinheiro dos cambistas e derrubou as mesas. E aos que vendiam pombas, disse: Tirai daqui isto, e não façais da casa de meu Pai, casa de negócios. Então lembraram-se seus discípulos do que está escrito: O zelo da tua casa devorou-me. Tomaram então a palavra os judeus, e disseram-lhe: Com que sinal nos mostras tu que tens autoridade para fazer estas coisas? Jesus respondeu-lhes, e disse: Desfazei este templo, e eu o reedificarei em três dias."(Envangelho, segundo São João 2, 13-22)

Fosse hoje e seria mais que natural que Jesus não iria ao templo, pois a violência do seu acto teria repercussões mais dramáticas que a sua crucificação e que a perseguição dos seus seguidores. Também no templo se passam hoje coisas de dimensão mais monstruosa e de mais difícil compreensão, que alguns apelidam de terrorista... Será que o povo entende que se prepara outra versão de romanização?


NOTA (editada 3 horas depois da edição do post): Tal como as versões do envagelho são várias, também sobre o que se está passado existem diversas, quanto ao pormenor. Por sugestão de um comentário, junto esta. E já agora esta outra. Todas me levam a reforçar a ideia de que Jesus não entraria no templo...