12 abril, 2011

Escaravelho. Besouro. Bicho de ouro e de trabalho...

Regresso à tarefa de tentar descobrir o sentido e o ser da “Maior Flor do Mundo”, revendo pela enésima vez o vídeo sobre o conto de Saramago. Desta vez dou por um facto, não certamente acessório, da atenção dada, primeiro pelo escritor e depois pelas criança, a um escaravelho na labuta, que lhe é própria, de empurrar uma bola de excremento, já bem maior que a sua minúscula dimensão. Não por acaso, pois é conhecida a elevada simpatia que o nobelizado nutre pelos gestos, quando estes são maiores que os seres que os praticam. Porquê um escaravelho no inicio do conto se o seu protagonismo, poderia mais prosaicamente ser substituído por um outro bicho mais simpático? Levar um escaravelho empurrando esterco para dentro de um conto destinado a crianças, só pode ter um significado maior. E tem. Para os antigos egípcios era a parte de um escaravelho sobre parte de homem, coisa digna de devoção. Revela-o a iconografia e os escritos nas pirâmides. Acreditavam eles, depois de muita aturada observação, que o besouro KHEPRI – seu outro nome – representava, na terra, a laboriosa tarefa de fazer girar o sol através do céu, muito provavelmente, em torno da terra. Essa representação não era meramente simbólica, acreditando-se que se os escaravelhos suspendessem tal prática, o sol deixaria de aparecer e, assim, dependia do nobre insecto a própria vida terrestre. O escaravelho, em Heliópolis, é visto como “o deus que veio sozinho à existência”, ou seja, Rá.

De menor crendice, mas de igual nobreza, se associa a sobrevivência da sua própria espécie a esse quase eterno rodar, pois que no estrume empurrado jazem os ovos de que se reproduzem e é em movimento quase perpétuo que os ovos se abrem em novas larvas. Acho que nada disto terá a ver com a tentativa de saber o que a Maior Flor do Mudo vem a ser. Acho que segui uma pista falsa. Mas acabei por descobrir uma outra estória dentro do conto e estou disposto – e habilitado - a contá-la a meu neto quando ele descobrir um besouro. Dir-lhe-ei que é um bichinho de ouro e de trabalho. Dir-lhe-ei que homens distantes acreditavam que, quando chegasse o fim dos seus dias, aquele que levasse a imagem do escaravelho para a tumba tinha a certeza de renascer para a vida. Ele vai perguntar-me se é verdade isso de haver outra vida. Não planeei a resposta, quando a tiver que dar serei espontâneo e, assim, mais digno do seu crédito…

________________________________________________________________________

NOTA: Sobre iconografia e o significado mitológico do escaravelho ler aqui e aqui

20 comentários:

Sandra disse...

Obrigada pela partilha!
O bicho do trabalho que tem que carregar a m...dos outros para sobreviver???Será???
beijo

flor de jasmim disse...

Caro Rogério
É um bicho que tem algo em comum!!! Vamos ter que aprender e conseguir sobreviver com a m.... que andam a fazer.
Abraço

Wanderley Elian Lima disse...

Olá Rogério
Gostei de saber sobre o significado mitológico desse inseto.
Grande abraço

O Puma disse...

Poupem os verdadeiros animais

se o escaravelho fosse lacrau

rodeado por todos os lados
tinha a dignidade de se suicidar

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Com Dum-Dum, não escapava um...

Fada do bosque disse...

ahahahahah valeu a pena estes dois últimos comentários para dar uma gargalhada. É o que se chama rir para descomprimir, depois de um texto, com tanto e tão sério significado.

Malu Machado disse...

E seu neto acreditará em cada palavra tua, visto que seu gesto, é sempre sincero.

Viva o escaravelho, inundem a nossa existência com promessas de esperança e exemplo de tarefa cumprida.

Gisa disse...

Fiquei pensando...
Quando chegar a conclusão (se chegar um dia) compartilho contigo de imediato.
Um grande bj querido amigo

Rogério Pereira disse...

Minha Fada,

Meu sangue mediterranico, um tanto mouro, me diz que no dia em que os escarevelhos deixarem de gestos maiores que o seu corpo o sol se esconderá para todo o sempre (ou quando os homens deixarem de apreciar um besouro).

Acho que o Carlos Barbosa nem leu. Foi o que me pareceu...

Fada do bosque disse...

Pois... para dizer o que disse... é que não há outra alternativa. :)

carol disse...

É bom vir aqui aprender ou relembrar coisas. O seu neto vai pensar: "que sorte que eu tive com este avô que me saiu..."
Beijinhos

Isa GT disse...

Como em 2012 só Portugal estará em recessão... temos que ir trabalhar para outro lado... fiquem cá os políticos a habitar no cimento e a passear no alcatrão.
Neste terreno aqui... já poucas flores vão conseguir nascer... só contas para pagar.

Bjos

Rogério Pereira disse...

Isa,

Se Saramago estive entre nós não só pelas palavras que nos deixou, mas de corpo inteiro, diria por certo palavras duras como as suas, mas não sem esperança...

... o seu comentário condiz com o inicio do conto (reveja o video). Talvez em 2012 só nos reste uma flor condenada, no meio das serranias com todas as máquimas paradas, abandonadas. Talvez tudo dependa dum gesto de criança... ou dos que aprenderem a lição, porque de uma lição se trata...

Rosa dos Ventos disse...

Neto?! E eu a pensar num filhote!:-))
Tenho mesmo que reler este livro para estar preparada quando me "surgir" um neto perguntador!

Abraço

Fê-blue bird disse...

"Dir-lhe-ei que é um bichinho de ouro e de trabalho."
Ora aqui está, ouro e trabalho, dois valores que devem andar sempre juntos.
E não ouro sem trabalho, ou trabalho sem ouro, que é o que impera por cá!
O seu neto vai-se lembrar sempre destes ensinamentos!

Beijinhos

Isa GT disse...

Isto é uma fase... ando um bocadinho desanimada, até o safado do computador resolveu dar-me cabo do juízo... e da carteira... o safado não deve saber que estamos em época de contenção de despesas ;)

Bjos

Hugo de Macedo disse...

Excelente, este blog. Para ser sincero, desconhecia o significado mitológico do escaravelho.

ariel disse...

Excelente, Rogério, adorei a história deste escaravelho.

:))

Lídia Borges disse...

Uma engenhosa abordagem do conto de Saramago destinado às crianças. São assim os grandes escritores, capazes de fazer nascer contos dentro dos contos.
Uma sugestão de ouro dentro do "seu conto" - trabalhar a terra. Mexe-la, a exemplo do escaravelho, para que produza.
Gosto da subtileza que espreita das entrelinhas.
Não planeou a resposta, mas planeou a pergunta...Significativo!

Um beijo

Rogério Pereira disse...

Lidia,

É irrecusável a sua achega
Vou introduzi-la, com certeza

(farei isso noutro post, espero que goste)