06 janeiro, 2012

Não sei o que dizer... um amigo partiu


A sua última obra, a derradeira...
 Orquestrações inesquecíveis, de poemas que também o são: Lisboa, meu amor (Joaquim Pessoa/Carlos Mendes). No teu poema (José Luís Tinoco/Carlos do Carmo). Estrela da Tarde (Ary dos Santos, Fernando Tordo/Carlos do Carmo)

17 comentários:

  1. Não se diz nada. Choramos ou cantamos, e sempre o recordaremos.
    Estou triste...

    ResponderEliminar
  2. Que vá em paz!

    O meu abraço solidário, Rogério.

    ResponderEliminar
  3. Poemas que nos transportam e nos refazem a vida que o tempo apagou.
    Poemas que perpetuam aqueles a a lei da morte foi ceifando.
    A melhor homenagem é revivê-los nestes passos que ainda nos sobram.

    ResponderEliminar
  4. Caro Rogério
    Há cerca de 1 hora soube da notícia.
    Tambem fiquei sem saber o que dizer.
    Surripiei-lhe o post.
    Abraço

    ResponderEliminar
  5. Fez bem em recodá-lo assim, eu não sei o que dizer, era muito próximo....

    ResponderEliminar
  6. Hoje, logo pela manhã também fui bofeteado por esta notícia que, infelizmente, já era esperada.

    Agora é hora de recordar a sua obra, enaltecendo-a e dando-lhe o devido valor.

    ResponderEliminar
  7. Há os que partem, ficando sempre entre nós.

    ResponderEliminar
  8. A partida de Pedro Osório era expectável.
    O tal bicho venceu o Pedro.
    Ninguém merece sofrer tanto.

    Ficará sempre nas nossas memórias.

    ResponderEliminar
  9. Tão triste perder
    um talento desse.

    Flores.

    ResponderEliminar
  10. Uma amiga tinha-me enviado esta última obra, lindíssima, que esteve algum tempo no Brancamar e no facebook e quando ma enviaram disseram-me que seria a última e foi mesmo...
    Grandes valores como Pedro Osório ficam sempre connosco.

    Soube só agora, aqui, do seu falecimento e embora esperado lamento tanto.

    Beijos

    ResponderEliminar
  11. Escreveu canções lindíssimas! R.I.P.

    ResponderEliminar
  12. palavras nao sao necessarias

    oiçamos apenas a sua musica

    Bjinhos
    Paula

    ResponderEliminar
  13. Um tributo lindo a um Homem inteiro.

    Obrigada Rogério.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  14. Não deixemos morrer os nossos mortos

    ResponderEliminar
  15. Para mim, o maior valor de Pedro Osório não consistiu em ter ganho festivais da canção, como as televisões se fartaram de referir. Pois ele ganhou festivais, ganhou, mas não foi isso que foi importante. O que foi importante é que Pedro Osório desempenhou um papel fundamental na substituição do bolorento nacional-cançonetismo, que nos sufocava, por uma nova música popular, muito mais aberta para a vida, para o mundo e para a esperança de um futuro melhor. Além disso, é preciso não esquecer que Pedro Osório deu um enorme contributo para a divulgação de novos grandes poetas portugueses.

    P.S. -- Tenho finalmente comigo um exemplar do livro "Almas que não foram fardadas". A primeira impressão com que fiquei ao folheá-lo foi francamente positiva. Parece-me que vou gostar de o ler.

    ResponderEliminar
  16. Ficará sempre na nossa memória as suas belíssimas orquestrações e O Beijo do Sol com que se despediu.

    beijinhos meu amigo

    ResponderEliminar