09 janeiro, 2012

Teorias da conspiração, a parte prática dessa questão - 1

Não me lembro bem dos dizeres da bíblia sobre o Apocalipse, mas segundo seus escritos haveria um dia para o juízo final. E já tendo havido muitos, aproxima-se outro, no próximo, 21 de Dezembro. Recordo, muito pequeno, de chegar a casa depois de ter escutado, em qualquer lado, que a fúria dos astros iria penalizar os mortais, pecadores e pecadores com as confissões e penitências atrasadas, acabando com este mundo terreno. Foi há muito, mas que me lembre mal cheguei a casa e perguntei a minha mãe, já não sei em que termos, se havia veracidade na coisa. Ela respondeu-me com a sabedoria de todas as mães que aceitam o pecado como uma inevitabilidade muito humana: "Sim filho o mundo irá acabar para quem irá dele desaparecer. Todos os dias isso acontece. Todos os dias morrem pessoas..."  Acho que ela nem tirou os olhos do que estava a fazer e a falta de solenidade na resposta ainda lhe deu mais veracidade. Saí e fui brincar, como naquela altura se fazia, na rua, todo o dia...
Na semana passada percebi que os anos passaram mas a teoria mantém-se em dia. No blogue octopus, na ausência da minha mãe para quem o mundo já há muito acabou, foi seu autor que me deu a necessária tranquilidade, me sossegou. No sábado veio o Expresso contrariá-lo.  O titulo era sugestivo: . "Fúria solar" e seguia-se os dizeres:"Em 2012 entramos num pico da actividade do Sol que pode afectar o nosso modo de vida demasiado dependente da tecnologia". O texto enumerava o que estava em risco e podia pôr em causa a nossa civilização: redes e centrais eléctricas; satélites; telecomunicações; transportes e um montão de serviços. Será então um pequeno ou médio Apocalipse, que alguns irão até lá divulgar, ampliando-lhe os presumíveis efeitos... sem deixar de os ligar ao castigo de Deus ou ao frigorífico e televisor que temos em casa... A foto "por acaso" até vai nesse sentido. E um filme também. O medo, sentimento difícil de explicar, tem múltiplas formas de ser espalhado. E todas serão tentadas...
.
.
Os olhos não acreditam, mas o subconsciente... consente.

12 comentários:

intimidades disse...

sempre me intrigou a razao pela qual todas as culturas, desde que a humanidade foi capaz de fazer uma pergunta, tentam prever o fim do mundo, e sempre de uma maneira catastrofica e repentina.

Sera mais facil do que aceitar um fim lento e doloroso?

Bjinhos
Paula

Fê-blue bird disse...

Meu amigo, compreendo tão bem a sua mãe e acho a resposta dela a mais sensata.
Sinceramente não penso no Apocalipse e deixo o meu subconsciente ciente disso :)

beijinhos

manuela baptista disse...

não foi preciso um "pico da actividade do sol", para afectar o nosso modo de vida

nem o livro do apocalipse, now or tomorrow

bastaram uns anitos e meia dúzia de políticos

sábia, é a sua mãe, Rogério

um abraço

Fada do bosque disse...

Na mouche!! Rogério, como sempre!!!
A "resposta" que deixei ao comentário que está no Octopus, foi a mesma que lhe deu a sua mãe... e mais sou a fada do mau augúrio... veja lá!
Quanto ao subconsciente... eheheheh!! Maravilha Rogério! Grande Guerreiro! :)
Um beijinho

Rogério Pereira disse...

Minha mãe era Maria
Maria Gertrudes Guerreiro
e tenho seu apelido e
a sua alma, por inteiro...
Acho que acertou...
em cheio...

carol disse...

"O medo, sentimento difícil de explicar, tem múltiplas formas de ser espalhado. E todas serão tentadas..." Até o "nosso" governozinho o tenta e vai conseguindo...

A senhora sua Mãe tinha, de facto, toda a razão. E ponto final!

BRANCAMAR disse...

Magnífico post Rogério!

A sua mãe além de sábia, tinha um grande sentido de amor, daquele que sempre transmite serenidade às crianças, coisa rara no tempo dela, penso, em que ainda havia uma boa dose de mães e avós que amedrontavam as crianças não só com o fim do mundo em 2000, que também já passou, mas também com as trovoadas e outros medos, medos que também estavam naqueles textos que se repetiam de geração para geração de um ensino caduco e sobretudo quando se tratava do ensino de Religião e Moral, medos relacionados com pecados, que não existem, mas que ainda hoje perduram no subconsciente de muitos.

Magnifico final de texto, Rogério GUERREIRO - "O medo, sentimento difícil de explicar, tem múltiplas formas de ser espalhado. E todas serão tentadas..."

Não é por acaso que em momentos de crise e de imposição de poderes proliferam os negócios das ciências ocultas.

Beijos e parabéns pelas tuas denúncias sempre inteligentemente apresentadas.

Branca

O Puma disse...

Com o devido respeito por todos os credos e medos
as testemunhas de Jeová admitem o fim do mundo com privilégio só de um grupo atingir o paraíso
precisa mente
o desgoverno
desconstroi o país
e assim gralha
sacando nos subúrbios
prometendo os céus
esquece que há muitos vivos
a levantarem-se do chão

Abraço amigo

Fernando Ribeiro disse...

Eu não li o artigo do Expresso, mas permito-me tecer as considerações que se seguem.

O título "Fúria Solar", por si só, é sensacionalista. O pico de atividade solar que se prevê para este e para os próximos 3 ou 4 anos é claramente inferior ao que ocorreu por volta de 2001. Ora em 2001 não aconteceu nenhuma desgraça relacionada com as erupções solares. O que houve foram umas lindas auroras boreais causadas por elas.

É verdade que uma erupção que envie uma grande quantidade de matéria solar (partículas eletricamente carregadas) em direção à Terra pode danificar os satélites. Se ela danificar alguns satélites de telecomunicações ou de GPS, isso poderá afetar-nos um bocado, mas não será o fim do mundo...

É também verdade que uma ejeção de matéria solar pode também deitar abaixo (temporariamente) o fornecimento de energia elétrica a todo um país. Já aconteceu no Canadá, onde chegou a fritar alguns transformadores, mas no entanto este país não regressou à Idade da Pedra...

À Idade da Pedra regressaremos nós, se este governo de alucinados continuar no poder por muito tempo!

Rogério Pereira disse...

Obrigado, Caro Fernando Ribeiro por ter dado esclarecimentos adicionais relativamente ao bem documentado texto do blogue octopus (que está acessível no link). Seus esclarecimentos desmontam o artigo do Expresso, de página inteira e todo o enredo do "fantástico" filme... Semeiam-se medos para colher o quê? É a questão deste meu post...

São disse...

O calendário maia termina em Dezembro de 2012, mas não prevê o fim do mundo, anuncia , sim, a mudança de ciclo da Terra.

Talvez não se compreenda muito bem actualmente a sua visão, porque nós conceptualizamos o tempo como linear e os Maias pensavam-no como cíclico.

Depois, como em tudo, há aquilo que designo como folclore ...

Boa semana

Fada do bosque disse...

A São, se mo permite, tem razão. A partir do momento que se instalaram a religiões monoteístas, o homem ocidental, especialmente, começou a ter uma consciência linear do tempo.
É impressionante quando se chega ao fim de um ciclo histórico, ou fim de paradigma, como está patente a escatologia milenarista cristã, ou das religiões monoteístas.
Muitos dos que contra elas (religiões) se viram, bem como os que as seguem, são os mesmos que utilizam os seus meios de difusão do medo, tecnológicamente avançados e disfarçados de Media e cinema de Hollywood. Enquanto não se colocar um fim a estes neocons/neoliberais fundamentalistas, o Mundo corre o perigo de se meter numa Idade das Trevas nunca antes vista.