04 janeiro, 2012

Pingo Doce, loja de conveniência? Não é fácil...

Ainda muito se falará do que, efectivamente, está em causa. Em vários planos: no financeiro e fiscal; no plano moral e ético; no plano politico; no da responsabilidade social. A primeira reacção é de estupefacção. Estupefacção inusitada, como se pudesse esperar que o capital tivesse Pátria (ou Mátria) e fosse solidário... Pessoalmente reagi como o jumento, pronto a boicotar, retaliando. Pensei em transformar a loja, que me fica a cem metros de casa, em loja de conveniência e onde passaria a comprar o que me esquecesse de fazer em um outro lugar. Mas qual? Num raio de mil e quinhentos metros existem cinco lojas da Jerónimo Martins. CINCO. Cinco que secaram tudo à volta. O grupo não dá ponta sem nó e decide no momento certo. Não tem (real) concorrência e tem os fornecedores e a produção na mão... Entretanto percorri a área e dei com algumas lojas "sobreviventes". Fiz algumas compras e ...perco dinheiro. Mas não desisto à primeira... tenho que fazer bem as contas, compará-las num mês inteiro... Mas não vai ser fácil...

Uma loja que promete... fiquei maravilhado com a qualidade da peixaria... 


Um talho onde apetece comprar, perto do Pomar...

22 comentários:

  1. Para mim já era uma mera loja de conveniência, mas agora nem isso! Sou do Carneiro!... Ehehehe!

    ResponderEliminar
  2. Caro Rogério
    Se não nos "estivesssemos" a tornar num povo cada vez mais egoísta, certamente que haveria uma resposta macissa a este acto que não sei como classificar. Como sabe fui escrevendo ao longo dos tempos sobre esta questão. Mas rápidamente o pessoal vai esquecer esta atitude do grupo Jerónimo Martins e tudo fica na mesma. Fez bem em lembrar que ainda subsistem alternativas e no conjunto não ficam tão caras como isso.
    Abraço

    ResponderEliminar
  3. Pois, Rogério, eu só ainda não boicotei totalmente porque há aquelas coisas que faltam a horas impróprias para se ir à loja da D. Adília ou a outra mercearia local.

    Mas há muito que Pingo Doce está lista negra, assim como outros "grandes comerciantes" que ajudam bem os agricultores portugueses a empobrecer (já não alegre mas) tristemente... Uns nem quase nem têm produtos portugueses, como é o caso do PD, outros tem-nos, fazem grande bandeira, mas "esmifram-nos" até ao tutano para ficar com o lucro TODO.

    Por isso, em Oeiras ou em Famalicão, o melhor sempre são as pequenas lojas, sobretudo se abastecidas localmente.

    Esta é mais uma "estremunhadela" que veio ajudar as pessoas a acordar, a organizarem-se a a promoverem os produtos locais e as lojas do comércio tradicional!

    ResponderEliminar
  4. Não sei ao certo do tema em pauta, no entanto a ideia geral sobre o boicote parece-me um ato de cidadania.
    Um grande bj querido amigo

    ResponderEliminar
  5. Hoje comi peixe da Nazaré, maçãs e cenouras de Alcobaça, pão da Benedita...
    Enquanto puder continuarei a boicotar.

    ResponderEliminar
  6. apesar de concordar com o que esta aqui dito, a decisao que o ingo doce tomou, vai na realidade salvar empregos e precos, a carga fiscal em portugal esta tao alta actualmente,e devido a crise os supermercados tiveram de cortar bastante nos lucros, para manterem os precos, que se ficasse em portugal, acabaria por ter de fechar lojas, e despedir pessoal.

    Bjinhos
    Paula

    ResponderEliminar
  7. Não é facil. O "venha cá" tem muita força e o Zé consumidor pouca.

    ResponderEliminar
  8. Não tenho nenhum p.d. ao pé de mim. Mas se tivesse não comprava lá nada...

    ResponderEliminar
  9. A fuga a esta nossa carga fiscal vai servir para manter postos de trabalho e preços? Ou para lhe garantir a margem e continuar a investir, replicando o modelo esclavagista em outras paragens?

    Estas as questões suscitadas pela querida amiga Paula.

    DADOS ADICIONAIS:
    Vendas do Grupo Jerónimo Martins crescem 15,6% e atingem os 7.320 milhões de euros

    Vendas consolidadas nos primeiros 9 meses do ano crescem quase mil milhões de euros face ao mesmo período de 2010, com o desempenho da Biedronka a pesar cada vez mais
    EBITDA sobe 19,5 % e atinge os 527 milhões de euros
    Resultado líquido atinge os 256 milhões de euros, crescendo 32%
    Dívida líquida consolidada diminui 240 milhões de euros para os 331 milhões de euros, permitindo uma descida do gearing para os 24,7% (48,6% no final do terceiro trimestre de 2010)
    Colômbia: o novo mercado a entrar

    ResponderEliminar
  10. http://asombraquemepersegue.blogspot.com/2012/01/carta-semi-aberta-ao-sr-primeiro.html

    ResponderEliminar
  11. Eu sempre utilizei o comércio local.Infelizmente, actualmente não existe uma única mercearia onde vivo!!

    Quanto ao capitalismo, toda a gente sabe que o único objectivo é o lucro.

    Seja muito bom o seu dia, Rogério.

    ResponderEliminar
  12. Apesar de tudo, acredito que a maioria das pessoas vai esquecer este assunto rápido. Sabemos como os portugueses têm memória curta. É bom falar.
    Saudações,
    Clarisse Silva

    ResponderEliminar
  13. "no plano moral e ético; no da responsabilidade social".

    Fala de "coisas" que o capitalismo baniu do seu dicionário, há séculos.


    Um beijo

    ResponderEliminar
  14. Fico de olho no Pomar de Oeiras, vou lá dar uma espreitadela, já quanto ao talho, consumo cada vez menos carne e tenho-me dado bem com isso...

    :)))

    ResponderEliminar
  15. Como dizia Marx e por estúpido que pareça, o diz Passos Coelho, o capitalismo não tem Pátria. Irónico!
    Foi por ser a última das empresas da bolsa a dar de frosques que se fez tanto barulho? e então a CGD que mudou os dividendos da Madeira para as Ilhas Caimão(?)? e a EDP que foi parar às mãos dos chineses e etc. etc. etc.?

    ResponderEliminar
  16. Lhe garanto que não vou lá pôr os pés e, por acaso, até tenho um Pingo Doce perto de casa mas não voltei a lá entrar... hoje andei mais mas ir ao Pingo Doce... é que eu não vou e quando eu tomo uma decisão... nem que chovam pedras e picaretas.

    ResponderEliminar
  17. Acima de tudo, para uma “Marca” que supostamente defendia os produtos portugueses, demonstra o abandonar do barco, legitimo se se considerar que o próprio Governo defende a saída de portugueses do País… se as Pessoas Singulares devem sair, uma Pessoa Colectiva tem esse mesmo direito… Ignorando a recente ironia, os funcionários de tal sociedade, ainda são portugueses.
    Abraço e Bom Ano

    ResponderEliminar
  18. Nunca comprei no Pingo Doce pois tenho um hipermercado ao pé de mim, mas acho que é hora de irmos mudando para o mercado local e deixar estes glutões a chuchar no dedo.

    Vou pôr a imagem no meu blogue para incentivar a mudança! BOA!

    beijinhos

    ResponderEliminar
  19. ... E não se esqueçam de beber única e somplesmente café Delta, o melhor do Mundo... não se lembrem disso apenas se o comendador decidir ir embora... o que duvido, mas com um governo destes, é de esperar tudo.
    Quanto aos produtos portugueses do pingo doce... parece que muitas vezes o código de barras não corresponde à realidade.

    ResponderEliminar
  20. Por mim já boicotei, ando a boicotá-los todos, também Belmiros & cª. e tenho-os perto de casa, mas tenho também a felicidade de ter mudado para um sítio onde num curto espaço tenho toda espécie de comércio tradiconal e também o talho, a peixaria, a farmácia e até os correios em frente da porta, sou uma sortuda. Já não tinha paciência para filas nas caixas das grandes superfícies e agora muito menos, para pagar e ser mal tratada como cliente, de forma despersonalizada, vendo os funcionários serem reduzidos ao mínimo e tratados como escravos e às vezes como palhacinhos quando têm que pôr todos boné de pai Natal e outras coisas semelhantes. Agora passo por lá pontualmente e sempre que vou à procura de um produto que não encontro e digo sempre mal da minha vida, não há pachorra que resista.

    Beijos

    ResponderEliminar