02 março, 2012

Sexta-feira, dia 9, na sede da Associação 25 de Abril. Apareça e talvez... não esqueça


Mário Moutinho de Pádua, médico, foi o primeiro oficial português a desertar em Angola, em 1961. No livro "No percurso das guerras coloniais" ele narra a sua impressionante experiência a seguir à deserção, nomeadamente as prisões e torturas de que foi alvo no Congo, a sua passagem pela Checoslováquia e o seu desencanto com vários aspectos do «socialismo real», a sua participação na construção de uma Argélia recém-libertada do colonialismo, e por fim a sua contribuição como médico na luta travada pelo PAIGC na Guiné. Conheci-o à pouco, enquanto terminava o meu livro. Enviei-lhe uma cópia do meu texto e perguntei-lhe, primeiro, a sua opinião e, de seguida se ele aceitaria prefaciar-me a obra. Aceitou. Agora aceitou também apresentá-la. Será em ambiente que nos diz, a todos, tanto. Será na sede da Associação 25 de Abril, na próxima seita-feiras às 18 e  30 h. Sobre o que me escreveu: 
"...quero salientar que este livro, de leitura fácil e agradável, constrói no dia-a-dia em rápidas pinceladas uma visão objectiva do ambiente vivido entre os militares envolvidos na guerra colonial em Angola nos anos de 1969-1971, sem ocultar os efeitos de uma velha opressão."
Mário Pádua, in Almas que não foram fardadas

Sobre a importância do seu testemunho, que estou certo ele fará, aproveito para destacar outras palavras suas, publicadas no último número da revista Seara Nova:
"Na comunicação social dominante em Portugal fervilham comentadores que se dizem objectivos. Porém animados e protegidos pela vendetta, fogem à reconstituição do ambiente colonial. Em lugar de estudarem as raízes do movimento de independência, impõem aos leitores uma visão militar, tecnicista, dramática pelos grandes sacrifícios infligidos pela guerra a africanos e portugueses, mas desumanizada, porque ignora a brutalidade do colonialismo ao longo de vários séculos."
Mário Pádua, in Notas de Leitura, Seara Nova nº 1718

Na apresentação do meu livro, além de Mário Pádua, participarão representantes da A25A, da editora e de Jorge Castro, que lerá algumas passagens que ele próprio escolherá. Aguardo confirmação de outra presença, querida . Confirma-la-ei, logo que o possa.