20 março, 2012

A Dª Esmeralda e a vizinha do 4º andar, a conversar (9)

Esclarecida quanto à questão, se o tal investimento vale ou não, a conversa progrediu:

Vizinha do 4º andar - Olhe D. Esmeralda, aquilo que me disse no outro dia , lembra-se? de isto ser um país que já está lá no fundo, de que se vai passar a poder trabalhar às horas que o patrão quiser, e deixar de poder ver os filhos e a mulher e do  magro salário mínimo nacional, do trabalho sem direitos, do país que passou a despedir sem justa causa e a pouco pagar para despedir, do país dos que perderam subsídios de férias e o 13ª mês, do país que vê degradar o ensino e encarecer a saúde, do país que está à venda e vê sair a renda... Lembra-se de me ter dito tudo isto?
D. Esmeralda - Lembro, lembro. E então
Vizinha do 4º andar - Acho que tem razão... é mesmo de se fazer greve. Falei de tudo isso lá em casa... 
D. Esmeralda - Sim? e então?...
Vizinha do 4º andar - Ninguém me passou cartão. Sou uma escrava e ninguém me dá importância ...
D. Esmeralda - Sim ? e então?
Vizinha do 4º andar - Pesa-me o coração que minha filha não me ligue, meu filho é quase e igual e minha nora... essa... até me trata mal...  
Rogérito (da janela do 3º) - D. Esmeralda, diga à vizinha do 4º andar que a escravatura tem de acabar, que entre em greve e não lhes prepare o jantar! ...