26 março, 2012

Não são meros sinais de circunstância...


A linguagem nem é dúbia nem omissa

O cravo vermelho e José Afonso, são apropriações desenvergonhadas 


O slogan mistifica o discurso e o rumo...

Para além de alguns sinais (muito) preocupantes, outros, igualmente recentes, indiciam que a direita sabe da poda: assume, sem peias, os seus objectivos e fá-los passar pelo canal mais adequado; apropria-se do imaginário, das bandeiras e de valores de Abril; afirma-se  habilidosamente, em congresso, como um partido de causas. Perante a letargia conivente do PS, enredado nas suas próprias contradições, a direita tem delineada uma estratégia que lhe poderá assegurar a sobrevivência no poder, mesmo se o país se afundar numa situação de dramáticas consequências para o que sobra da economia e para o povo. Não basta a indignação. E a denúncia desta estratégia será sempre neutralizada pela boa imprensa de que a direita goza.  

Que fazer?