02 dezembro, 2013

A caridade institucionalizada da Jonet... e a esperança de que fala Francisco


No ano passado este tema já era aqui comentado 
 
Cada vez mais os entrevistados à porta das "solidárias" (e interessadas) grandes superfícies referem que doam porque temem que um dia serão eles próprios a precisar. Rendem-se ao que julgam serem inevitabilidades: o empobrecimento; a institucionalização da caridade. A sociedade civil mobiliza-se minimizando a fome de poucos dias mas a instituição cresce, contando com a fome de todos os dias. O modelo "banco" potencia dádivas futuras. É uma espécie de "depósito a prazo", um seguro. É essa a mensagem subliminar que passa com a força necessária para que a procura cresça e a oferta se reforce.  À salvação da alma pela prática do amor ao próximo e à generosidade intrínseca da natureza humana, junta-se a convicção perigosa de que o Estado Social faliu. Com quase mais funcionários que a Segurança Social e sem encargos pesados, a instituição aprimora o funcionamento, reforça os meios de organização, agiliza a logística e dinamiza a marca. É um monstro que se insinua querido. Enquanto as IPSS procuram a sua sobrevivência e os seus trabalhadores desesperam, o "banco alimentar" ganha economias de escala e aumenta o trabalho voluntário. Este ano houve uma ligeira quebra...

Até Cristo teria hoje dificuldades em ser cristão e certamente não lhe dariam tempo de expulsar os vendilhões do templo, nem espaço para semear a esperança.
"Algumas pessoas se gabam, enchem a boca com os pobres; instrumentalizam os pobres por interesses pessoais ou do próprio grupo. Eu sei, é humano, mas não está bem!.... E digo mais: é pecado! É um pecado grave, porque é ‘usar’ os necessitados, os que necessitam, que são a carne de Jesus, para a ‘minha vaidade’. É um pecado grave! Seria melhor que estas pessoas ficassem em casa!"
(...) "a força da comunidade cristã é fazer crescer a sociedade desde o interior, como a levedura... Não se deixem roubar a esperança, ao contrário: semeiem-na". 
 - Papa Francisco, aqui