05 dezembro, 2013

Mandela, in memoriam - "... há os que lutam toda a vida e estes são imprescindíveis" - escreveu Brecht


Há homens que nunca se despedem de nós, nem nós nos despedimos deles... estão aqui!
Invictus
Dentro da noite que me rodeia
Negra como um poço de lado a lado
Agradeço aos deuses que existem
por minha alma indomável

Sob as garras cruéis das circunstâncias
eu não tremo e nem me desespero
Sob os duros golpes do acaso
Minha cabeça sangra, mas continua erguida

Mais além deste lugar de lágrimas e ira,
Jazem os horrores da sombra.
Mas a ameaça dos anos,
Me encontra e me encontrará, sem medo.

Não importa quão estreito o portão
Quão repleta de castigo a sentença,
Eu sou o senhor de meu destino
Eu sou o capitão de minha alma.

William Ernest Henley

7 comentários:

Maria João Brito de Sousa disse...

Serei sempre o fruto daquilo que eu quis!

Abraço!

jrd disse...

Um herói do nosso tempo que (não) nos deixou.

Sónia M. disse...

Há pessoas que não morrem...

Observador disse...

Associo-me, com a devida vénia, a esta homenagem.

Helga disse...

Rogério, é destes homens que falo...

O Puma disse...

Há HOMENS incomensuráveis

Lídia Borges disse...


Tão raros, os homens SÃOS!

Lídia