29 dezembro, 2013

Geração sentada, conversando na esplanada - 46 ( Goebbels eleito a personagem do ano, sem ser por engano...)

(ler conversa anterior)

[Hoje, o texto do Gonçalo não está (ainda) disponível...]

Imagem da net
O sol apareceu, acariciou e favoreceu. A intenção do engenheiro resultou e muita gente apareceu... A vizinha do quarto andar quis lá estar, acompanhada da dona Esmeralda. Até o miúdo, que hábil nas redações, cartas e poemas, não faltou. Havia até muita gente que não era cliente, para além dos frequentadores habituais. Propôs o senhor engenheiro que eu dinamizasse aquela inesperada plateia e a levasse a votar a personalidade do ano. Meu juízo, mais conhecido pelo nome de que é apelidado - Meu Contrário - segredou-me com um "Aceita!" e Eu aceitei. Minha Alma, sem esperar a vez saltou e propôs "Proponho o povo português!" e logo se seguiu um coro de vozes "Nem pensar!", "O povo tem é de acordar", "O nosso povo pertence à cidade Nim!" e outras coisas assim. Minha Alma, embatucou e não sugeriu mais coisa nenhuma.
Sucederam-se, então, propostas até mais não: "O novo cardeal! O Clemente!", "Jonet! Jonet!", "Gaspar! Gaspar!" e mais uma catrefada de nomes, que sucessivamente iam sendo cilindrados aos primeiros argumentos explanados. A esplanada mostrava-se dividida e não mostrava acerto. Até que surgiu um nome para muitos esperado, "o Mário!" Fez-se um silêncio total. Eu, Minha Alma e Meu Contrário, que pouco tínhamos participado, demos um salto. "Qual Mário?" perguntou alguém com um perguntar irónico. "O único político de esquerda que manda esta gente à merda!" pronunciou um desconhecido com ar sentencioso e convencido. "Lembram-se do discurso da Aula Magna?, com catano... O Mário deve ser o personagem do ano", "O Mário é fixe", ouviu-se. "Mário!Mário!Mário!" gritava a minha esplanada em peso. Meu Contrário aconselhava calma e Minha Alma ia anotando quem se queria inscrever, quase acreditando que o tal Mário ia vencer... até que um dedo no ar, lá numa mesa do canto, levantou-se e toda a gente se calou, com espanto.O dedito era do Rogérito, e assim falou: 

"Minhas senhoras e meus senhores, o Mário é de facto um espanto e merece a vossa atenção, ele não é da Cidade Sim, nem da Cidade Não, salta de uma para outra para salvar a Cidade Nim. Depois de afrontar a corja, propõe um governo de salvação nacional e percebe-se então quem ele quer salvar! Podem uns de vós pensar que não, mas o Mário o que quer salvar é o "centrão". Tal como a Manuela, e o Mário até fala nela!"
- "A Ferreira Leite, a antiga ministra das Finanças que sacou do fundo de pensões?"
- "A da suspensão da democracia por seis meses?
- "A que agora malha como o Mário malhou na Aula Magna?"
- "A que já chegou a sugerir que todos os velhos com mais de 70 anos deveriam pagar a hemodiálise?"
"Essa mesmo!" continuou o miúdo "E por aquilo que está a acontecer e por mais isto que se presta a que aconteça, por mais estranho que vos pareça, proponho um nome conhecido, embora de um já falecido. Proponho como personagem do ano, Goebells, também um ex-ministro e que agora está na moda! Disse!"

Foi grande a confusão.
Minha Alma gritou: "Quem vota a favor?"
Todos levantaram a mão.

Até uma criança percebe o que está a acontecer...