16 novembro, 2014

Geração sentada, conversando na esplanada - 75 (o "The Voice Kids" e a queda que faz subir audiências...)

(ler conversa anterior)
"E o mar bramindo / Diz que eu fui roubar / A luz sem par / Do teu olhar tão lindo"
Amália, "Canção do Mar"

"Podemos, se queremos, carregar na mochila da escola tudo o que ela pode levar. E a criança leva. Leva até não poder carregar e se cair pode-se levantar. Ou não. Depois vamos aliviar a carga. Só nessa altura percebemos que não levava nada que lhe fosse útil. É nessa altura que ficamos alarmados. Mas já aconteceu a queda"
Eu, ao Bruno, num dia destes, a caminho da Casa do Alentejo
A Gaby, do outro lado da esplanada como lhe era costume, ocupava-se com o seu tablet. A dada altura, com voz embargada comentava o que via. A lágrima testemunhava o que sentia. Apenas balbuciou  "Entram pelo prazer de cantar e com a ambição de ganhar, saem com a consciência de uma nova experiência..." e não a qualificou. Pouco depois toda a esplanada percebeu de que falava. "Treinam-se para competir na selva. A canção cantada não passa de uma metáfora..." disse alguém.

5 comentários:

Graça Sampaio disse...

Não gosto desse tipo de programas, mas com as crianças ainda menos!! Um disparate! Eu não deixaria filho meu entrar numa loucura dessas.

Lídia Borges disse...

Não vejo!...
Recuso-me a ver crianças inteligentes transformadas em brinquedos de corda.

Bj.

Rosa dos Ventos disse...

Crianças a serem o instrumento de realização dos pais!
Não vejo!

Fê blue bird disse...

Não vejo estes concursos, portanto estou alheia ao que se passa.

beijinho e boa semana

Joana Silva disse...

Muitas pessoas vê uma oportunidade de ganhar algo nesse tipo de concursos... Penso que seja por isso que tantas pessoas participam.