17 março, 2016

"Lula é nomeado e crise agrava-se: milagre precisa-se" ou as razões porque a RTP não contratou Carlos Fino


Carlos Fino, em tempos idos reconhecidamente competente, quando em 2012 bateu à porta da RTP levou com ela na cara e regressou ao Brasil por que todas as outras portas lhe terão feito o mesmo. A RTP sabe que ele anda por lá mas em vez de o colocar, com a sua independência, a reportar de Brasília (ou de outro qualquer lugar de lá) a televisão pública, em serviço combinado com a Rede Globo (que faz campanha activa contra o Governo de Dilma), coloca um tagarela a repetir, com sotaque lisboeta o que os comentadores da Globo, da Veja e do "Estadão" vão debitando.
Hoje, prescindo  a custo da minha fonte privilegiada (Conversa Afiada) e passo a palavra à escrita do repórter: 
«O fundo da argumentação de um lado e do outro é moral e jurídico, mas todos sabem que o que está em causa é a política – o controlo do poder do Estado por este ou aquele grupo – ainda que com a promessa de ambos de que irão resolver os problemas do país.
O levantamento do segredo de justiça por Sérgio Moro para poder revelar uma conversa da presidente da república com Lula, no preciso momento em que este aceitava integrar o governo, assim escapando à sua jurisdição, é manifestamente um acto de cariz político não isento, por mais justificação jurídica que se apresente.
Moro, ainda que se sentisse ofendido nos brios por ver escapar-lhe um investigado – que aliás ainda nem sequer é réu, porque não foi acusado de nada – podia, com efeito, ter-se limitado, como lhe competia, a endossar o processo para a instância superior que agora assume as investigações, dado que Lula passou a ter foro privilegiado – o Supremo Tribunal de Justiça.»
E sabem de onde este texto foi tirado? Do Jornal Tornado, claro! Que outro jornal nacional podia acolher uma opinião independente?