23 março, 2016

O terrorismo, o medo e como eu, pela voz dos outros, os (não)compreendo...

Ainda as causas não tinham produzido tão duros efeitos e as vítimas a contar ficavam longe desta Europa e já eu ia escavando os silêncios para descortinar a verdade. Foi mesmo assim, há quatro anos atrás, escrevia "Quem a partir de hoje dormir descansado eu acho que está embalsamado. Ou então é... um zumbi..." 
Hoje o terrorismo faz imperar o medo e não tardará que o medo faça desencadear mais terrorismo, numa espiral de terror que a Humanidade mesmo que a tenha já em tempos conhecido a terá esquecido, como esquecidos estarão os versos de Jorge de Sena, a propósito dos fuzilamentos de Goya: "Não sei meus filhos, que mundo será o vosso..."
«Em Bruxelas, em Madrid, em Londres, em Lisboa, esta noite, milhões de crianças adormecerão com medo.»

18 comentários:

Olívia disse...

Por vezes, ao terminar a leitura de um livro, de um poema como este, fica o pensamento tão cheio de intensidades que não há lugar para uma só palavra. O pensamento contorce-se em transmutações silenciosas, sem dor nem angústia…

Por vezes... Nem sabemos o que fazer com o tanto que crescemos.

Lídia

© Piedade Araújo Sol disse...

tão antigo e tão actual...

:(

Anónimo disse...

Tão cru, tão cirurgicamente preciso e tão belo... tudo em simultâneo...

Maria João

Graça Sampaio disse...

Sem palavras...

Rogerio G. V. Pereira disse...

...mas há o outro lado

"Quem a partir de hoje dormir descansado eu acho que está embalsamado. Ou então é... um zumbi..."

Rogerio G. V. Pereira disse...

mais do que o poema
e o que ele lembra

é a actualidade que nos deprime
pela impotência, pela raiva
de não poder fazer nada

ou apenas isto, que aqui registo

Rogerio G. V. Pereira disse...

Comentário de poeta
que usa a palavra certa

Rogerio G. V. Pereira disse...

Cem palavras
de dor e raiva

Cem palavras, pelo menos!

O Puma disse...

Há flores no chão
Abraço

Rogerio G. V. Pereira disse...

Onde não há flores no chão
meu irmão?

onde?

Agostinho disse...

Nada acontece por acaso, Rogério.
Aquilo em que o mundo se tem vindo a transformar foi anunciado há muito. Mas o homem não viu. A ganância é maior do que a ficção da paz.

Abraço

ematejoca disse...

O terror é um desafio para o Ocidente, uma prova de fogo. Os nossos valores precisam de resistir ao teste.

Palavras de dor e de raiva de um dos nossos maiores poetas.

Rogerio G. V. Pereira disse...

É verdade
mas não sei o que é maior
se a ganância
se a ignorância
e não sei, também,
se uma não sustenta a outra
e dela se aproveita

Rogerio G. V. Pereira disse...

O Ocidente
é apenas uma pequena parte
de toda a gente

Não há ilhas de valores

rosa-branca disse...

Meu amigo faltam-me as palavras para comentar tudo isto. A ganância a falta de valores que tantos não têm. Tenha uma boa Páscoa com muita saúde, paz e amor. Eu sei... Aquela gente não nos deixa ter paz. Beijos com carinho

Rogerio G. V. Pereira disse...

Beijos também, rosa-branca

Boa Páscoa

Teté disse...

Tenho esperança que não seja em vão... ;)

Rogerio G. V. Pereira disse...

Tenhamos esperança
e façamos também o quer que seja...
É que tê-la, só
não chega