20 maio, 2019

Manuel Veiga, estive lá!


Obviamente, estive lá. Foi no sábado passado, à mesma hora em que algo acontecia num outro lado. Mas como o futebol é tão só e apenas a coisa mais importante de entre aquelas que não têm importância nenhuma... fui dar-lhe um abraço, comprar-lhe o livro e cobrar-lhe um sorriso. Fica na contracapa o poema, o primeiro a ser lido:
ARGILA DO SONHO...

Neste arfar dos homens um destino mudo.
Suspenso. Como as labaredas de um incêndio.
Pressentido apenas no voo inesperado
Dos insectos. E no delírio do restolho.

Somos o sopro que fecunda o fogo. Elos de um percurso
Que os ventos traçam. E de que os deuses zombam...

E, no entanto, nesta ardência da vontade (que se expande)
Perdura uma febre e uma surda espera.
Como se a Festa de outrora
Mais que festa fosse aurora...

Ou uma palavra nova. A despontar no léxico
E na gramática do Mundo...
Manuel Veiga, in Perfil dos Dias

5 comentários:

Janita disse...

O Rogério é como uma Divindade.
Está em todo o lado e não aparece em lado nenhum.

( vi as fotografias... até onde o Face me deixou ver)

Parabéns ao Poeta/blogger, autor do "Perfil dos Dias"

Elvira Carvalho disse...

Parabéns ao poeta, e obrigada ao amigo Rogério, por me ter permitido conhecê-lo na sua partilha.
Abraço

Anónimo disse...

Não estive lá, mas tenho pena.

Há muitos anos que leio, no Relógio de Pêndulo, os poemas do Manuel da Veiga, embora raramente lhe deixe algumas palavras, já que comentar mais de dois ou três blogs por dia se me vai tornando crescentemente impossível.

Ficam dois abraços; um para ti, Rogério, e outro, de parabéns, para o Manuel.


Maria João

Clara disse...


E eu também vim deixar dois abraços, naturalmente um para o Manuel Veiga e outro para ti pela lembrança de partilhares connosco um momento do lançamento do seu novo livro.


(ah... esse carimbo dos correios, de 1975, fez-me obviamente lembrar daquela FRASE que também ficou célebre por essa mesma altura)

(^^)

Manuel Veiga disse...

Obrigado, meu caro Rogério, por este gesto de amizade.

dizer-te que foi um prazer (re)ver-te e que te estou muito grato,
bem como sou grato pelas referências amáveis que acima leio, cujos blogs
tenho no maior apreço.

abraço fraterno