30 maio, 2019

Razões para uma tão elevada abstenção - II (Falha a educação para a cidadania?)

O texto acima é um print screen de parte da acta da Assembleia de Freguesia da minha União de Freguesias. Saudava eu, então (Janeiro de 2017), a presença de cerca de duas dezenas de jovens sentados no espaço destinado ao público.

Aquela presença de jovens do ensino secundário, nunca antes tinha acontecido... e não voltou a acontecer...

Resolvi sondar todos os meus camaradas com assento nas Assembleias das 5 freguesias do concelho, a resposta foi, resumidamente, "nunca!". E é um nunca extensivo a 4 mandatos. Isto é, em 12 anos x 5 freguesias, apenas uma única vez aquilo que devia ser rotina.

Conclusão: Os pilares da democracia, a composição e correspondente distribuição de poderes do Estado e o funcionamento dos órgãos não são explicados nas escolas. 
Assim, grassa a ignorância e...
quem ignora não estima. 
Fui espreitar o programa curricular, na área da cidadania, do ensino secundário. Está tudo explicado! Tá lá tudo, tanto que, por demasiado, só se pode esperar como resultado... 
...o que se vem registando!

    8 comentários:

    Catarina disse...

    Áreas temáticas incompletas.
    Depois o que acontece:
    O cidadão ou a cidadã não vota porque pensa que o seu voto não vai fazer diferença nenhuma (nós sabemos que isto não é verdade); não vota porque não gosta dos candidatos; alguns dirão que nem sabem onde ir votar; que é longe; que faz muito calor; que faz muito frio; mas que chatice... melhor sentar-me em frente da televisão e ver um jogo de futebol...

    O Puma disse...

    VOZES AO ALTO
    porque não basta ter razão
    Abraço
    amigo

    Maria João Brito de Sousa disse...

    Talvez por excesso, talvez por incompletude dos conteúdos programáticos mas sobretudo porque, como deixas bem claro, tão raramente aconteçam a participação e o contacto presencial que cria os verdadeiros elos entre o cidadão embrionário e a sua autarquia...

    Abraço

    Rogério G.V. Pereira disse...

    Catarina,

    Julgo que o teu comentário já pressupõe conhecimento. A minha tese é que os jovens nem chegam ao ponto de não gostar... é que nem sequer conhecem...

    Puma

    A razão está sempre do outro lado da razão, onde mora a ignorãncia.
    E quem não sabe não estima, nem usa...

    Maria João,

    Embora tenha situado no contexto local, o exemplo dado vai no sentido mais geral do funcionamento de um órgão de soberania. É que há distâncias enormes entre as freguesias e a Assembleia da República...

    R.C. disse...

    Nas escolas podem e mandam os diretores.
    Nas escolas impera a gestão não democrática e o esvaziamento das estruturas intermédias onde deveriam participar os jovens.
    A cultura da infantilização é uma estratégia antiga que promove a abstenção e o medo de participar: Os jovens são irresponsáveis para que a sua opinião tenha valor. Há gente mais habilitada para o fazer.

    Nas escolas ensina-se a não colocar em causa a escolha por nomeação em vez da eleição por democracia direta.
    Os jovens apreendem no seu dia dia os comportamentos e as atitudes promotoras de passividade que transferem para fora da escola.


    O problema não são os conteúdos programáticos!

    Rogério G.V. Pereira disse...

    RC
    Assim é. Mas o director tem aliados
    e como pano de fundo os tais conteúdos programáticos
    que lhes serve de chapéu...

    «A cultura da infantilização é uma estratégia antiga que promove a abstenção e o medo de participar: Os jovens são irresponsáveis para que a sua opinião tenha valor.»

    Rosa dos Ventos disse...

    Passei por uma AF, por uma AM e por uma vereação( sempre na oposição) e nunca vi jovens a assistir às reuniões, contudo vejo-os muitas vezes nas galerias da AR.
    Penso que a abstenção foi transversal a todos os níveis etários!

    Abraço

    Rogério G.V. Pereira disse...

    Rosa dos Ventos,

    A AR é longe. A AF é perto e dá para entender como funciona a Democracia. Depois compete ao professor falar sobre com se insere o Poder Local dentro do Sistema Democrático...

    E tem razão, a abstenção tem sido transversal a todos os níveis etários... mas então leia o que se segue e que publicarei logo:
    "Razões para uma tão elevada abstenção - III (O 4º poder corrói os pilares da Democracia?)