01 dezembro, 2011

Restauração? Qual restauração?

Não acredito que o texto do Tratado de Lisboa 
(que entrou em vigor em 1 de Dezembro de 2009) contenha palavrões.
Admito que a palavra incompleta seja "funcionem".
Como todos sabemos, das expressões usadas, a mais grosseira foi "porreiro pá"...


Acreditem que estou dividido. Dividido por já não saber a quantas ando e a quantos hei-de eu andar. Não sei a quantas ando: não sei se a data que hoje se assinala tem a ver com 1640, com 2009 ou com data já planeada para aquilo que vai (inevitavelmente) acontecer. Sim, porque não restam dúvidas que haverá a Restauração da Independência que agora mesmo nos foi tirada. Duvido que seja violenta. Não é por nada, é porque, feitas bem as contas, faltarão andares suficientemente altos para deles atirar os milhentos "Miguéis de Vasconcelos" que se fazem passear por todos os paços, outros espaços e corredores do poder. Esse poderá ser um futuro novo feriado Nacional. Que venha.

Espanhóis? Nem pensar  voltar a assinalar datas que nos dividam dos "nuestros hermanos". Proponho que que se considerem outros que nos unam. Data da assinatura do Tratado das Tordesilhas. Pode ser? É que a "Jangada de Pedra" e o sonho de Saramago bem podem ter de acontecer... e seria outra data a festejar.