21 março, 2012

Como se tudo dependesse da Primavera - I


DESERTIFICAÇÃO
Fala a pedra com a pedra: Onde a erva?
Fala a terra com a terra: Onde o húmus?
Fala a porta com a janela: Onde a gente?
Fala a parede com o sobrado: Tens saudade dos passos?,
onde pára o espanta pardais, esse espantalho de falsos braços
que afastavam os pássaros?
Onde param as searas? e as eiras? e os cantos? e o pão?
Flor? Que é uma flor?
Flor era essa coisa de pétalas e cor que tu trazes na memória
e que segundo o calendário do tempo devia povoar esses campos?
Árvores? Que é uma árvore?
Árvore era essa coisa de raízes, folhas, ramos, frutos
que juras te ter no passado dado meiga e fresca sombra?
Água? Que é a água?
Água é essa coisa que te molhava o rosto, a roupa o corpo
e que as escuras nuvens teimam levar para outro lugar?
Ah, meu amor, este abandono
Ah, meu amor, este deserto
Se cada um de nós somos três
porque me falas
como se houvesse apenas Minha Alma?
Porque me falas
como se tudo dependesse da Primavera e nada dependesse de nós?
Rogério Pereira  



26 comentários:

  1. Comovente e com0vida maneira de celebrar poesia, meu amigo...

    Um abraço

    ResponderEliminar
  2. Poesia simplificada, nua e crua. Este é dos melhores blogs que tenho o prazer de seguir, Rogério.

    Abraço!

    ResponderEliminar
  3. Caro Rogério
    O seu poema que fala de coisas reais e sobre o qual vão os meus parabéns. Deixa no final uma interrogação que me deixou a pensar. Como disse um outro poeta "as forças da natureza, nunca ninguem as venceu". Será de facto que nada depende de nós? Será que vamos esperar que o tal "milagre" aconteça? Há exemplos de que o homem consegue, quando aproveitado o seu saber e a própria natureza dar a volta a situações adversas. Talvez fosse fastidioso enumerar algumas. Mas lembro aquela ilha onde não chovia e não havia àgua doce. Em contrapartida havia um constante nevoeiro. Sem grandes obras de engenharia, estendeu-se na vertical vários Km de rede, fez-se uma caleira em todo o cumprimento e tranformou-se o nevoeiro em água potável. Provavelmente não se supriram todas as necessidades, mas que se atenuaram é um facto. E ainda aquela aldeia onde o sol não chegava e os seu habitantes viviam em permanente escuridão. Um espelho gigante estratégicamente colocado e fez-se luz.
    Um abraço (hoje) ao poeta que tambem é!

    ResponderEliminar
  4. Raramente comento, caro Rodrigo, mas não posso passar sem lhe dar a minha resposta à questão posta. Gedeão, referia-se à natureza humana (Quero eu e a natureza. que a natureza sou eu. e as forças da natureza. nunca ninguém as venceu...) e não tenho duvidas sobre a capacidade do homem em lutar contra a adversidade assim como não tenho dúvidas de que a desertificação do país, nomeadamente do Alentejo (mas não só) se deve à incúria, desprezo e politicas desumanas que servem interesses que nada têm a ver com os interesses dos povos...

    ResponderEliminar
  5. Um abraço para o poeta que vive em si e que se espelha nos seus textos, nos seus comentários e na sua luta.
    Belas metáforas usou para caracterizar o nosso Portugal que morre à míngua (de água e não só...)

    ResponderEliminar
  6. Claro que depende de nós!

    Já agora, aquele seu comentário... tem a certeza que leu bem todas as palavras do título do meu post?

    Bjos

    ResponderEliminar
  7. Bolas, Rogerito, muito bem! Muito lindo! Parece o meu querido Manuel da Fonseca a poetar sobre o seu Alentejo!

    Vou copiar para o meu caderninho de versos. (nem peço autorização...)

    Beijinhos poéticos ou primaveris?

    ResponderEliminar
  8. Lindissimo!
    Palavras sentidas meu amigo Rogério.

    Beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  9. O Poeta é um fingidor,
    finge tão completamente que chega a
    fingir que é dor a dor que deveras sente .
    *Fernando Pessoa*
    Um Feliz Dia Internacional Da Poesia
    Creio Que Existe Em Todos Nos Um
    Cantinho De Poetar No Coração.
    Mais Esse Dom Não Foi Dado
    A Todos.
    Um Abraço Carinhoso Pelo
    Dia Internacional Do Poeta.
    De Um Dia Tão Importante Para Todos Nos.
    Tem Um Mimo Na Postagem .
    Caso Gostar Foi Feito Com
    Muito Carinho.
    Beijos e Beijos.
    Evanir.

    ResponderEliminar
  10. Essa "Desertificação" é "uma pedrada no charco".
    Bem Haja!

    ResponderEliminar
  11. O homem chegará um dia a interrogar-se sobre tudo que hoje faz as nossas delícias?? Apenas as memórias falarão? (se falarem...)
    Gostei deste poema forte, assustador e (quase) real!
    Parabéns ao Poeta neste dia da Poesia!
    Beijo
    Graça

    ResponderEliminar
  12. Embora a realidade ande perigosa é bom saber que há quem a olhe de frente e saiba dizê-lo!

    bj

    ResponderEliminar
  13. Poesia que sai do núcleo dum vulcão prestes a explodir, já falta pouco, nós à espera, de quê nem queremos saber, pomos a cabeça na areia, pode ser que as coisas se resolvem pela ação de quem está bem instalado na vida, que até se arroga a providencial esperança dos desesperançados, falando da sua política empresarial de bom samaritano, sem pessoas como ele não haveria empregos, íamos todos para debaixo da ponte, ele vive bem porque é "muito" inteligente, os portugueses não têm jeito senão para pedir, ele não, foge com o seu capital para a Holanda ou outros paraísos, nós aqui que nos aguentemos com a magreza cada dia que passa mais macilenta dos nossos salários e pensões (muitos de nós com mais de 40 anos a acreditar no estado Social), ele a defraudar-nos, nós caladinhos que nem ratos, só algumas vozes se tentam levantar, que logo são abafadas pelo domínio avassalador dos meios de comunicação pelo poder económico...
    uff raios partam esta vida!

    Um grande abraço, tudo isto é vida, mas a poesia desta vida dá um grande fadário é o que é!

    ResponderEliminar
  14. A poesia também serve para permitir que a alma grite.

    Gostei do seu grito...

    beijos
    cvb

    ResponderEliminar
  15. Meu amigo

    A poesia sempre foi um meio de gritar o que nos vai na alma...e gostei deste grito.

    Beijinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  16. em silencio vou aqui passando, não conhecia esta sua faceta, a de Poeta.

    gostei, e acho que tudo depende de nós, sempre!

    abraço

    ResponderEliminar
  17. tens razao tens toda a razao
    kis .=)

    ResponderEliminar
  18. Poesia de intervenção assim numa natureza que só morre se não lutarmos por ela, para que os nossos netos saibam o que é ver uma flôr nascer.

    Gostei muito.

    Sempre a usar "as palavras como uma arma"! :))

    Beijos

    ResponderEliminar
  19. ..belissimo Poeta!

    Calculei que irias superar o dia mundial da poesia.


    Beijinho meu

    ResponderEliminar
  20. Não vou comentar.

    Como noutras ocasiões já lhe disse - fico à espera do livro com poemas

    Beijo

    ResponderEliminar
  21. Estou aqui há um pedaço... Teria tanto a dizer.

    Lindo, o poema!

    Um beijo

    ResponderEliminar
  22. E se dependesse de nós apenas?
    Um grande bj

    ResponderEliminar
  23. Aqui hoje não é dia da poesia. Ou melhor, não era. Linda a sua primavera.

    ResponderEliminar