13 maio, 2012

Homilias dominicais (citando Saramago) - 83


Eu, Meu Contrário e Minha Alma, perscrutam a multidão procurando Ricardo Reis, em vão. 

Questiono Meu Contrário para em seu juízo me explicar e esclarecer não a razão da fé mas sobre as motivações da adesão das massas ao fenómeno religioso, pois que em tempos afirmei que havia quem com isso beneficiava. A resposta foi curiosa e deixou-me intrigado: "As coisas da fé, afundam-se nos seus próprios mistérios. Depois de Marx ter falado das consequências de ser a fé o ópio do povo, pouco mais de interessante se poderá acrescentar". Insatisfeito com tal resposta, consultei a Minha Alma, com a mesma pergunta, ficando igualmente intrigado com a resposta vinda desse lado: "Há almas que se prestam a tudo, tanto mais quanto mais o corpo lhes sofre." Percebi que pouco adiantava prolongar aquele diálogo, e resolvemos, os três, procurar Ricardo Reis para saber a sua própria motivação para se misturar naquela multidão:

HOMILIA DE HOJE
Este é o lugar. A camioneta pára, o escape dá os últimos estoiros, ferve o radiador como um caldeirão no inferno, enquanto os passageiros descem vai o motorista desatarraxar a tampa, protegendo as mãos com desperdícios, sobem ao céu nuvens de vapor, incenso de mecânica, de fumadouro, com este sol violento não é para admirar que a cabeça nos tresvarie um pouco. Ricardo Reis junta-se ao fluxo dos peregrinos, põe-se a imaginar como será um tal espectáculo visto do céu, os formigueiros de gente avançando de todos os pontos cardeais e colaterais, como uma enorme estrela, este pensamento fê-lo levantar os olhos, ou fora o barulho de um motor que o levara a pensar em alturas e visões superiores. Lá em cima, traçando um vasto círculo, um avião lançava prospectos, seriam orações para entoar em coro, seriam recados de Deus Nosso Senhor, talvez desculpando-se por não poder vir hoje, mandara o seu Divino Filho a fazer as vezes, que até já cometera um milagre na curva da estrada, e dos bons, (...) 
Ricardo Reis vai a Fátima - Excerto de "O Ano da Morte de Ricardo Reis", de José Saramago (continuar a ler)

14 comentários:

São disse...

Penso que este recrudescer de manifestações religiosas tem a ver com a necessidade de as pessoas, trituradas por um capitalismo que só se preocupa com o lucro , encontrarem apoio e consolo.

No entanto, eu creio numa Orifem que nos transcende.

Bom domingo.

Isa GT disse...

Ora aqui vai um comentário em que corro o risco de levar com uma vela no toutiço:

É sempre muito mais fácil... esperar pelo D.Sebastião, os outros que votem por nós ou esperar por milagres.
Há coisas que não podemos controlar nas nossas vidas, mas deve haver, por lá, muitos pedidos... que até deviam ser pecado pedir...
Um bom exemplo... atravessar fora da passadeira e fechar os olhos para não ver o camião que se aproxima, completamente desgovernado... diz o povo com razão... Fia-te na Virgem e não corras...

Bjos

Graça Sampaio disse...

Muitas pessoas, em desespero, viram-se para a "transcendência" - nada contra. Cada um faz como entende.

O Ano da Morte de Ricardo Res foi o livro de que mais gostei de Saramago, mas devo relê-lo porque já não me lembro da maravilha que é.

jrd disse...

As fés são dos que as têm, mas também se podem comprar engarrafadas, em qualquer santuário mais ou menos conhecido.

Lídia Borges disse...

Ontem, no Santuário do Sameiro, em Braga, 5000 alunos finalistas da Universidade do Minho, acompanhados das famílias, participaram na já tradicional Benção das Capas. O que costuma ser uma festa em que os estudantes agradecem à Virgem por terem chegado ao fim de um sinuosos percurso académico (sabe-se lá com que sacrifício pessoal e das famílias. Basta pensar do elevado custo das propinas) e pedem bons ventos para a nova etapa das suas vidas, revelou-se uma verdadeira manifestação de falta de fé.
Nos olhos de quase todos, nas palavras que se diziam e se ouviam o medo do futuro agiganta-se, a quase certeza do regresso à mala de cartão dava já um tom lúgubre áquilo que deveria ser a comemoração de uma vitória.
" Agora é que vão ser elas..." - ouve-se por aqui e por ali.

Não sei se a Virgem também terá ouvido, se terá visto tantas lágrimas em tantos olhos onde já se lia a dor de uma injusta despedida.




L.B.

manuela baptista disse...

Marx deveria acrescentar aos ópios

os centros comerciais
certos telejornais
o paradigma da beleza e da eterna juventude

a fé não se discute e não é fácil possuí-la

é muito mais cómodo não acreditar

Fátima já me incomodou em tempos de radicalidade pessoal, não gosto de ver as pessoas de rastos, não troco rezas por favores

mas reduzir os peregrinos a pessoas desprovidas de vontade própria, pouco esclarecidas, ingénuas ou manipuladas, é simplesmente redutor

acredito em milagres e aceito Fátima como um sinal de humildade coletiva e um sinal de fé

tão forte, que até os não crentes não resistem a comentar

é assim Rogério, eu tão calada, solta-se-me a verbe e não é milagre


um abraço
e leio-o sempre, embora a sua pedalada seja digna de um peregrino :))

folha seca disse...

Caro Rogério
Os mistérios da fé são complicados. Percebê-los até conseguimos, alterá-los, vai demorar o seu tempo. Acredite que já tive fases na minha vida em gostava de arranjar momentaneamente uma "bengala" para me apoiar. Não é por acaso que um dos melhores "negócios" do momento é a exploração da fé. Quando as pessoas não encontram solução nos homens, viram-se para o divino que lhes é soprado por homens que vêm a oportunidade de "sacar" dinheiro e outros bens, para viverem como nababos à custa da fé.
Assunto a aprofundar.
Abraço
Rodrigo

O Puma disse...

Admito que a Virgem
não terá sido

mas... se até alguns crentes
afirmam
que os comunistas também são
filhos de deus

respeito
e sopro velas

Abraço

ematejoca disse...

Nas eleições no estado da Renânia do Norte-Vestfália o vencedor foi o Partido dos Piratas que chega pela primeira vez à Assembleia do estado, com 7,7% dos votos. Este é o quarto estado onde os piratas têm agora representação em assembleias legislativas.
Os outros três são Berlim, o Sarre e Schleswig-Holstein.

OS COMUNISTAS FICARAM DE FORA COM
2,3%!!!

E a competência económica é um domínio da CDU, o resto são tretas.

Ana Tapadas disse...

Não perco, já sabe, estas homilias.

A ruína diária busca o consolo possível. Viagem de regresso a tempos perigosos, meu amigo.


Beijo e boa semana.

Anónimo disse...

Tal como a Manuela, gabo-te a pedalada.
Não há como não deixar de comentar tantos textos, amigo Rogério :)))


Fui a Fátima uma vez. Era criança e a minha mãe tinha feito uma promessa que envolvia a minha precária saúde em miúda.
O que me ficou na memória foi algo que me marcou negativamente para sempre.
Não, não acredito em milagres. Efectivamente a fé é algo que nem se entende não se explica nem se condena, assim como não se pode aceitar que se condene quem não a tem.

Beijo

Fernanda disse...

Lamento deixar esta "mensagem" que explica minimamente a razão pela qual o faço e me ausento por algum tempo, que espero ser muito curto.
Estou em preparação para uma intervenção simples aos meus olhos.
Volto logo, verá.
Beijinhos Rogério

heretico disse...

há almas que devem ser tratadas com muita delicadeza...

enfim, digo eu, que sou "heretico"

abraço

Fatima Valeria disse...

Ah! Ressaltando, excluidos até os nossos dias.