16 maio, 2012

Plagiando poetas, em horas incertas


SONHO À VISTA
(a caminho da terra da Utopia)
Os mostrengos são cada vez mais numerosos
E rodeiam a nau voando
Não três, mas mil vezes, e mais raivosos
Na ré, de pé,
O mesmo homem do leme
Que depois de ter tremido, já não treme
Gritando o grito que o poeta lhe colocou na voz 
No mastro real,
Também igual,
Está o mesmo gajeiro
No ponto mais alto do navio, será o primeiro
A dar noticias, quando as houver que dar 
Naquela travessia
Decidida
Que ousaram desafiar
Se empenhando com todo o seu ser e querer
As ondas são vagas de meter medo
Se houvesse medo de lhes ter
A fome roer-lhes-iam a entranhas
Se houvesse sentir entranhas a roer
A incerteza espalhar-se-iam com os ventos
Se houvesse que a sentir nesses momentos
Tudo o que de mau, escuro e duro
Lhes diziam ir acontecer, aconteceu
Mas nem um só esmoreceu
(embora muitos ficassem pelo caminho
por tão dorido e sofrido ele ser)

As sereias, desistentes,
Mergulharam em desafinado cantar
O céu, que fora de breu, clareou
O mar, que fora alteroso, se amainou
E por fim a noticia esperada
Do alto da nau gritada
Sonho à vista
Sonho à vista, foi o grito repetido,
Por quem sofrendo ali chegou
Rogério Pereira 

(A imagem foi roubada a um belo pássaro azul)

26 comentários:

Vítor Fernandes disse...

Estamos a viver numa tenebrosa nau caterineta.

quem és, que fazes aqui? disse...

Plagiando ou não, Rogério, está belíssimo!

Diga-me,quando ouviremos "sonho à vista"? É que a gente vem cansada, derreada e moribunda...

Beijo

Laura

Gisa disse...

O sonho sempre há de chegar. Naveguemos...
Lindo poema.
Um grande bj querido amigo.

Rosa dos Ventos disse...

"E pelo Sonho é que vamos..."
Talvez já tenha deixado este verso aqui...
Vamos sobreviver!
Linda a adaptação!

Abraço

Isa GT disse...

Entre os que perecem e os que apanham boleia noutras naus para trilhar outros caminhos... oxalá a nau não acabe por chegar vazia...

Bjos

vitalina de assis disse...

Hola amigo!

Lindo poema!

Sonhos são alimentos para a alma
deixar de sonhar é minguar-se lentamente.

Bjs.

Fê-blue bird disse...

Vejo aqui a mesma imagem que escolhi :)
Como o sonho comanda a vida, pode ser que comande esta sua nau.
Apesar de tudo ainda não desisti de lá chegar, à terra da utopia.

beijinhos

jrd disse...

E a malta das naus há-de transformar o sonho em realidade.

Lídia Borges disse...

A intextextualidade com o poema de Pessoa "O Mostrengo", que como se sabe representa uma alegoria aos medos e obstáculos impostos aos portugueses na passagem do Cabo das Tormentas, é aqui recriada numa evocação oportuníssima.
Perfeito!

"E disse no fim de tremer três vezes:
«Aqui ao leme sou mais do que eu:
Sou um povo que quer o mar que é teu"



L.B.

Fernanda disse...

Lá chegaremos a essa velocidade ou a outra.
O sonho nem sempre é utópico e se houve plágio não sei por nada.

Beijo

Carlota Pires Dacosta disse...

Um sonho que tarda a ser real.
Gostei do poema.
Beijo

Maria João disse...

Enquanto houver uma vela, que não desista de enfrentar o vento, o caminho será para sonhar o que sonhamos, e remar será como o verso do poeta!

Um abraço

Rogério Pereira disse...

Fê,

Bela imagem a que roubei logo que a vi
depois queria saber de onde a tinha tirado e me perdi...

Já emendei a mão...

Lídia,
sabe? Quando determinado poema nos fica na cabeça desde muita tenra idade, pensamos que acontece isso a todos ou que todos o conhecem. Reparo que não é assim... fez muito bem em colocar aqueles versos. Clarificam-me a intenção e desmentem-me o plágio.

A todos os outros amigos,
a esperança é um barco onde estamos todos metidos Ou lhe impomos um rumo, ou vamos ao fundo...

as-nunes disse...

Lê-se e sentem-se vagas sucessivas de emoções fortes, actuais, que o presente está alteroso

e o piloto temeroso
medroso,
diz-nos que cauteloso
dizemos nós, também manhoso!

Esperemos que a tripulação não vá às cegas pelos "avisos à navegação"...
lançados ao mar em garrafas vazias mas enrolhadas...

Sonho à vista?
Sonho que se arrasta e nos inquieta
verdade, mentira?
Onde está a verdade?
Não acredito na verdade!

Rogério Pereira disse...

as-nunes,

No poema, a barca que é referida ainda nem sequer está de partida...

Fala-me certamente dessa outra que se afunda.

OceanoAzul.Sonhos disse...

Rogério, naveguei no seu poema, sonhando, penso que o sonho continua a comandar a vida.
beijinho
cvb

as-nunes disse...

Caro amigo Rogério

Li com atenção o seu poema e - deixe-me que o diga - senti-me assaltado por este sentimento de um misto tenebroso de medo e de revolta, pela situação a que estamos a chegar.

O Homem é uma besta, logo não podemos acreditar cegamente no que vemos e ouvimos, vindos do verbo e da mente dos que se alcandoraram a lugares de topo na hierarquia social/política e que, depressa dão o dito por não dito e ultrapassam sem rebuços tudo o que garantiram que seria o contrário, em nome do santíssimo Voto, Ámen!

Estou a perder a paciência!

Abraço

BRANCAMAR disse...

Peço desculpa pelas minhas ausências. Quando prometi vir comentar um post lá para tràs, acabaram por se levantar outros valores mais altos: Hospitalização e recuperação da filha que estive e estou a acompanhar longe de casa, só dei um salto ao Porto para vir justificar as minahs faltas. Até breve.

Beijos

Fatima Valeria disse...

Ah! Rogério, cá estou no Brasil pensando sempre nos oceanos que me separam do mundo, olho pelos mapas, pelos globos, pelo google rsrs. E estou aqui com tantos sonhos perdidos mas com esperança reencontrada em seu lindo dizer. Obrigada e abraços.

Fatima Valeria disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fatima Valeria disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anónimo disse...

Peço desculpa pelas minhas ausências. Quando prometi vir comentar um post lá para tràs, acabaram por se levantar outros valores mais altos: Hospitalização e recuperação da filha que estive e estou a acompanhar longe de casa, só dei um salto ao Porto para vir justificar as minahs faltas. Até breve.

Beijos

Malu Machado disse...

"embora muitos ficassem pelo caminho
por tão dorido e sofrido ele ser"

Quem nunca sofreu por um sonho idealizado e não realziado? Já sofri muitas derrotas, mas continuo com as minhas virtudes. Por isso meus olhos sempre gritam: "sonho à vista".

Belo poema, meu amigo, belo poema da alma.

maceta disse...

os sonhos podemos ter, sonhar é fácil...
quantos caiem borda fora e se perdem nas vagas?

São disse...

Muitos ficaram , ficam e ficarão pelo caminho mas nada impedirá a vitória!

Um abraço, amigo.

Anónimo disse...

Enquanto houver uma vela, que não desista de enfrentar o vento, o caminho será para sonhar o que sonhamos, e remar será como o verso do poeta!

Um abraço