05 maio, 2012

Marx em Maio, renascido: "Os donos do capital incentivarão a classe trabalhadora a adquirir, cada vez mais, bens caros, casas e tecnologia, impulsionando-a cada vez mais ao caro endividamento, até que sua dívida se torne insuportável." (1867)



[gostaria de poder citar partes da excelente conferência de hoje, de 
Sérgio Ribeiro, mas não tenho (ainda) disponível o texto]
Citação retirada de eLivros Grátis 

18 comentários:

Janita disse...

Há anos que não o folheava. Este seu post fez-me ir buscá-lo à prateleira e abri-o ao acaso.
Apercebo-me de como a minha visão mudou e já não é o que era. As 745 páginas desta 4ª edição de "O Capital" de Karl Marx contém uma letra tão pequenina que, mesmo com óculos, me é difícil ler.
Da página 719 2º parágrafo, deixo-lhe este excerto.
" Na sociedade capitalista, em que o bom senso social só se faz valer extemporaneamente, é possível e inevitável que se produzam ininterruptamente grandes perturbações".
Será este o tempo em que vivemos?
Isto em analogia com a sociedade comunista em que:
"...em primero lugar, o capital- dinheiro desaparece e, com ele, os disfarces das transacções que se impõem...".
Ou será esta a sociedade em que gostariamos de viver?

Sabe, Rogério, o eu penso, no meu insignificante pensar de que só sei que nada sei, é que não existem sociedades perfeitas.

Beijinhos.

Lídia Borges disse...

Faz sentido esta afirmação e pode até adaptar-se aos tempos que vamos vivendo.
Mas... Os pensadores pensam e os executores? Executar à luz dos preceitos e dos valores de quem idealizou pode ser uma tarefa incomensurável.
Mas parece-me sempre cedo para deixar de sonhar com sociedades mais justas, mais iguais e mais humanas.

L.B.

menvp disse...

"Site de Referendos"
-> Explicando melhor: todos os gastos (despesas públicas) do Estado que não sejam considerados de «Prioridade Absoluta» [nota: a definir...] devem estar disponíveis para ser vetados durante 72 horas pelos contribuintes [nota: através da internet no (que deverá ser criado) "Site de Referendos" -> aonde qualquer português com número de contribuinte, e maior de idade, poderá entrar e participar].
Para vetar [ou reactivar] um gasto do Estado deverão ser necessários 100 mil votos [ou múltiplos: 200 mil, 300 mil, etc] de contribuintes.
.
TOCA A ABRIR A PESTANA:
- Mesmo não sendo a favor da Democracia Directa... todavia, no entanto, o cidadão não pode ficar à mercê das mafiosices dos 'Bilderbergos' e marionetas!!!
- Democracia verdadeira, já! -> leia-se, DIREITO AO VETO de quem paga (vulgo contribuinte).
[veja-se o blog fim-da-cidadania-infantil]
{um ex: a nacionalização do negócio 'madoffiano' BPN nunca se realizaria: seria vetada pelo contribuinte!}

jrd disse...

Anda por aí em cada esquina e em cada praça.
Anda por aí e nós com ele!

Rogério Pereira disse...

Janita,
ir folhear o Capital, para me responder, deixa-me lisonjeado a valer...

Mas sabe?, enquanto não existirem sociedades perfeitas, apetece-me responder com o comentário da nossa querida Lídia:

é "sempre cedo para deixar de sonhar com sociedades mais justas, mais iguais e mais humanas."

ematejoca disse...

* Karl Marx é bom.

** Karl Mark é alemão.

*** Tudo que é alemnão é BOM!!!

Lua Nova disse...

A teoria na prática é outra!!!
Mas nesse caso, que me parece estranhamente familiar, Marx estava coberto de razão.
Beijokas, meu caro. Beijokas.

Maria João Brito de Sousa disse...

Mais uma a subscrever o comentário da Lídia Borges :)

as-nunes disse...

A maior parte de nós, mesmo os que fazem carreira nos partidos políticos, pouco ou nada leram de Karl Marx.

Uns pensamentos dispersos, nesta ou naquela oportunidade, mas ainda bem que há quem nos espicace a ler/reler como olhos de ver, a obra fenomenal de Marx.

Com o avançar da idade cada vez me convenço mais, que, a despeito dos avanços da tecnologia,

A. Perez-Reverte

"O ser humano é um filho da puta.

Assumamos esta realidade e aprendamos a viver com ela."

Fiquei com esta frase solta a bailar no meu espírito e acabei por lhe dar razão.

Que fazer, então? Constatar que somos uns meros instrumentos animalescos, dotados de uma capacidade de raciocínio robotizado, previamente programado, que não temos, nós, humanos, possibilidade de fazer o que quer que seja para mudar as coisas?

Homem de pouca fé, estarão a pensar!
Estou mesmo a ver mais uma batalha em que o capitalismo selvagem volta a ditar as suas leis implacáveis, inumanas.
Essa é que é a realidade nua e crua.

Claro, não podemos baixar os braços.
A luta continua! ...
... continua... cont.....

Janita disse...

Caro amigo Rogério.
O ideal de uma sociedade universal mais equitativa, mais justa e mais humana, foi, desde sempre, o sonho de todos os boa fé. Meu, inclusivé!

Devo lembrar-lhe - em resposta à sua ironia - que um livro não pode ser lido, se não for folheado.
E, para terminar, já que entendeu por bem responder-me, penso que deveria ter usado palavras suas. Afinal, o meu amigo é uma pessoa a quem nunca faltaram as palavras.

Felicito os seus leitores, as-nunes e Lídia Borges, em cujos comentários revejo o meu sentir.

Desejo-lhe um bom Dia da Mãe.

Janita

HORIZONTE XXI disse...

Apenas uma expressão que gostaria comentasse;
" A ditadura do proletariado sem reconhecer o direito à preguiça é a pior das ditaduras."

Sobre, "A Comuna de Paris, 1871"

Abraço livre

Rogério Pereira disse...

Janita,

Acredite, não fiz ironia... Este post tem a finalidade de fazer regressar à leitura de Marx. Disse que o fez, e isso me sensibilizou...

as-nunes

Tem razão, Marx anda arredado de nossas leituras... o link de onde tirei a citação ( eLivros Grátis ) dá acesso a algumas obras disponíveis e gratuitas. Podem aí ser lidas (ou feitos downloads para imprimir)

A grande parte dos comentários citaram Marx. É uma reiterada satisfação...

HORIZONTE XXI a frase que escolheu comenta-se a ela própria. Uma ditadura é sempre a pior, se vista por parte de quem lhe sofre os efeitos e perde os direitos...

Carlota Pires Dacosta disse...

De Marx lembrom-me de estudar alguma da sua obra na disciplina de Filosofia do 11º ano (há mais de 20 anos).
Lembro-me de uma frase do "Manifesto Comunista" que cada vez mais faz sentido nos dias de hoje "Proletários de todos os países, uni-vos!"
Bom domingo.
Beijo

jrd disse...

Excelente,como todos os Domingos.

Comento assim:

http://bonstemposhein-jrd.blogspot.pt/2009/02/o-cidadaovi.html

Abraço

BRANCAMAR disse...

Max era um visionário, por isso esta sua afirmação é tão pertinente e verdadeira nos dias de hoje.

Faço minhas as palavras da Lídia e a propósito retiro do meu comentário àcerca dos intelectuiais, a mesmíssima ideia:

"Será que Marx alguma vez foi devidamente posto em prática? Talvez ainda exista o sonho dessa pureza..."
--------------------------------
"É que talvez o caminho seja bem diferente de todos os que já se experimentaram e este desnorte possa ter a ver com o facto de ainda não o termos descoberto."

Daí que realmente " é sempre cedo para deixar de sonhar com sociedades mais justas, mais iguais e mais humanas."

Beijos

Fatima Valeria disse...

Meu Deus! (desculpe pela exclamação rsrs)Só tenho a dizer: É a mais absoluta verdade....
Ei Marx!Parabéns pelo aniversário, mesmo que um pouco atrasado, afinal, muitos se esforçaram, mas não conseguiram te enterrar rsrsrs
Bravo!!!!

JCoelho disse...

Não foram premonições divinas ou de um “Dom” dos eleitos messiânico/proféticos, tais como Nostradamus, tão “cantado” nos últimos anos e intencionalmente “?demonstrado?” com o único propósito de manter os povos aterrorizados (e outras “criações” que vão todas no sentido de cercear a Democracia e a vontade dos povos).
Não, Karl Marx, George Orwell, etc. foram simplesmente Homens que através da objectividade da análise dialéctica projectaram, aquilo que julgaram vir a ser o futuro da Sociedade Humana, perante a já classe dominante dos seus tempos. Infelizmente as suas análises estão a ser confirmadas.

Luciano disse...

Em primeiro lugar: quem está incentivando o consumo até as últimas connsequências, com diminuição de IPI e tudo mais é o PT...

Segundo: esta citação, supostamente atribuída a Marx, que é falsa.

Já leram MARX???

Mas é tão tomada como verdadeira que até a própria direção da Izquierda Unida já a citou num comício. Os trotskistas, que vivem para “corrigir” a esquerda marxista-leninista, já vieram cantar de galo. A frase reza assim:

Os donos do capital incentivarão a classe trabalhadora a adquirir, cada vez mais, bens, carros, casa e tecnologia, impulsionando-a cada vez ao mais caro endividamento, até que a sua dívida se torne insuportável.

Existem três boas razões para não divulgar esta frase. Primeira, para não permitir que certa esquerda, parasita da esquerda, encontre mais uma oportunidade para parasitar. Segunda, trata-se de uma abordagem muito naïfe: própria do anarquismo e não do marxismo. Divulgar é dar razão aos anarquistas que acreditam que a exploração hoje se faz pela dívida e não mais pelo trabalho. Estas teses do homem-endividado são falsas e não dão conta o quanto o endividamento dos trabalhadores é um fenómeno secundário na dinâmica do capitalismo. Quando olhamos o desenvolvimento do capitalismo ao longo do século XX, como eu fiz aqui, vemos que o endividamento dos trabalhadores surgiu na década de 1980 e como complemento da dinâmica capitalista já em marcha. Enfim, o eixo da reprodução do capital seguiu sempre sendo a exploração do trabalho.

Mas a terceira razão, a mais importante, pela qual se deve ter cuidado com estas frases é que ela está nas antípodas do pensamento marxista. Num momento de acesa luta ideológica (como se vê no parágrafo anterior) o rigor ideológico é a arma indispensável de um marxista. Marxismo é o modo como Marx olhava a realidade e, apenas em segundo lugar, as suas conclusões. E aquela frase opõe-se por três razões ao modo como um marxista deve olhar o mundo.