04 fevereiro, 2012

Cavaco mostra a obra ao senador... Os quatro parecem partilhar a mesma opinião (ou pelo menos, até ao momento, nenhum disse que não)


É tão pestilento o cheiro da obra obrada, como a inevitabilidade de a salvar.  
(Depois de respeitar a obrigação protocolar, o "coiso" ausentou-se para mais um pensamento Zen)

11 comentários:

folha seca disse...

Caro Rogério
Só me ocorre usar uma expressão grosseira: que grande c.....!
Abraço

Graça Sampaio disse...

Amigo Regerito, o cag.... é a imagem do governo, não é?....

Beijinhos

Rogério Pereira disse...

Não não é a imagem do governo. É a imagem do estado a que isto chegou depois de um senhor nos ter empurrado para um sitio onde nunca deveríamos ter entrado... Os quatro estão mais ou menos convencidos da inevitabilidade de isto continuar a ser uma valente m****...

intimidades disse...

o problema e que eles nao sabem onde deixaram o cag...

Bjinhos
Paula

Vítor Fernandes disse...

O que eu acho graça é esta gente falar do presente como se o passado não tivesse nenhuma responsabilidade por aquilo que estamos a passar. Foram todos obreiros e isso é uma evidência.

São disse...

rrrssss entre o riso e o pranto bua´´aáá

Bom domingo

Eduardo Miguel Pereira disse...

O cheiro que isto deve emanar ... uuiiii !!!

É que isto é obra obrada durante mais de 20 anos !

Incineradora com a obra obrada e seus obreiros, já !

jrd disse...

Excesso de 'alimento', é o que é. Depois sai disto...

Fê-blue bird disse...

Com uma inevitabilidade destas quem não precisa de um momento Zen :(
Fui ver o sítio dos desenhos e reflecti no que vi.

beijinhos

manjedoura disse...

inevitabilidade é também esses não pagarem pelo mal que fizerem.

BRANCAMAR disse...

Rogério,

Apanhou-me tão desanimada com esta obra obrada, que já nem consigo esticar os neurónios até à fronteira do humor. Há dias em que o cansaço nos vence, com pequenos nadas, quando já estamos sobrecarregados de todos os outros grandes.

Já não aguento as politiquices destes políticos de m***

Beijinhos