26 fevereiro, 2012

Homilias dominicais (citando Saramago) - 72


« ...o auditório que está cheio, com gente ocupando todos os pedaços livres de chão. E vieram para ouvir Afonso Cruz, Ana Luísa Amaral, Júlio Magalhães, Manuel Moya, Rui Zink e Valter Hugo Mãe, com moderação de Henrique Cayatte, falarem sobre o tema “a escrita é um investimento inesgotável no prazer”... » Vieram-me dizer que foi possível passar uma noite inteira nessa cavaqueira. Não será à falta de palavras que não se lhe ouve falar o que lhes seria de esperar que falassem, sobre se o mundo, que já é quase um deserto de ideias, não o virá a ser também de afectos. Desses mesmos que os escritores usaram, gozando o privilégio  de saberem manipular as emoções.
HOMILIA DE HOJE 
As palavras são boas. As palavras são más. As palavras ofendem. As palavras pedem desculpa. As palavras queimam. As palavras acariciam. As palavras são dadas, trocadas, oferecidas, vendidas e inventadas. As palavras estão ausentes. Algumas palavras sugam-nos, não nos largam: são como carraças: vêm nos livros, nos jornais, nos «slogans» publicitários, nas legendas dos filmes, nas cartas e nos cartazes. As palavras aconselham, sugerem, insinuam, ordenam, impõem, segregam, eliminam. São melífluas ou azedas. O mundo gira sobre palavras lubrificadas com óleo de paciência. Os cérebros estão cheios de palavras que vivem em boa paz com as suas contrárias e inimigas. Por isso as pessoas fazem o contrário do que pensam, julgando pensar o que fazem. Há muitas palavras.  

13 comentários:

O Puma disse...

Há palavras que respiram por guelras

e não querem salvar o mundo
só ajudar

Lídia Borges disse...

Podem tanto, as palavras!
Mas são precisamente as que nos falam do mundo (perto de nós), as únicas capazes de nos tocar a pele, de nos emocionar ou nos fazer rir do ridículo de nós... São estas as que têm a capacidade de se inscreverem adubo,sementes, ideias...

Uma palavra que não nos toque, não nos muda.

Um beijo

jrd disse...

E há palavras que são balas, certeiras.

intimidades disse...

o mais importante e que sejam ditas

Bjinhos
Paula

Flor de Jasmim disse...

Ditas e sentidas!

Beijinho e as melhoras

Ana Tapadas disse...

Sou, de facto, fã destas homilias.

Os textos casam bem, as palavras são importantes quando transportam sentidos, mas a tua ilustração condensa a ideia central!

Beijinho e boa semana, amigo.

AC disse...

Precisamos, realmente, de um grande impulso.
Uma grande homilia, Rogério.

Abraço

Fernanda disse...

E por isso nos confundem.

Hoje vim à homilia, não te queixes!!!

Beijo

Gisa disse...

Palavras, depois de pronciadas ou escritas, vão ao vento, singram espaços, crescem, diminuem, colorem-se ou desbotam. Tudo irá depender da força e da intenção de quem as impulsionou para a vida. As tuas, se queres ter notícia, fertilizaram no meu solo e estão se desenvolvendo muito felizes e saudáveis. Fica tranquilo, cuidarei bem delas.
Um grande bj querido amigo

Carlota Pires Dacosta disse...

A palavra não é mais, que uma desordem ordenada de 26 letras que está presente em todos os momentos da nossa vida, desde o nascimento à morte.
Beijo

Fê-blue bird disse...

Amigo Rogério:
A foto com o seu pensamento é perfeita. Um terreno árido precisa de palavras-semente e palavras adubo para florir de novo.

Precisamos de palavras que nos devolvam a vontade de as cultivar.

Aqui, a amizade e a partilha de palavras é um bom exemplo disso.

beijinhos e boa semana

Anabela Jardim disse...

Dito, escrito e jogado ao vento ...
http://atitudesquefazemdiferenca.blogspot.com/

OceanoAzul.Sonhos disse...

Que a palavra seja a esperança, dum dia o jardim da vida voltar a estar colorido.

um abraço
cvb