31 janeiro, 2010

Haiti, Haiti! Ai de ti se mexes no teu petróleo...
















Esta imagem, retirada do site de Marguerite Laurent, ilustra que o Haiti não é tão pobre em recursos como se quer fazer crer ...

Este site dá conta de muitos aspectos, omissos pela imprensa de referencia, designadamente pelos semanários. O Expresso, por exemplo, na edição de ontem, deixa cair o Haiti como tema de notícia. Por falta de assunto? Claro que não! É que não existe apenas aquele site a abrir perspectivas de análise à realidade do marterizado Haiti. Existem outras fontes, designadamente as que se encontram referenciadas num bem documentado artigo editado neste outro site http://pakalert.wordpress.com/ .

Destaco, desse artigo, os parágrafos iniciais (transcrevo) "Há prova de que os Estados Unidos descobriram petróleo no Haiti décadas atrás e que devido a circunstâncias geopolíticas e a interesses do big business foi tomada a decisão de manter o petróleo haitiano na reserva para quando o do Médio Oriente escasseasse. Isto é pormenorizado pelo dr. Georges Michel num artigo datado de 27/Março/2004 em que esboça a história das explorações e das reservas de petróleo no Haiti, bem como na investigação do dr. Ginette e Daniel Mathurin. Também há boa evidência de que estas mesmas grandes companhias de petróleo estado-unidenses e seus monopólios inter-relacionados de engenharia e empreiteiros da defesa fez planos, décadas atrás, para utilizar portos de águas profundas do Haiti tanto para refinarias de petróleo como para desenvolver parques de tancagem ou reservatórios onde o petróleo bruto pudesse ser armazenado e posteriormente transferido para pequenos petroleiros a fim de atender portos dos EUA e do Caribe. Isto é pormenorizado num documento acerca da Dunn Plantation em Fort Liberté , no Haiti.. "

O artigo alerta ainda para o facto de não se entenderem quais as razões económicas e estratégicas que justificam a razão para que os EUA tenham construído a sua quinta maior embaixada do mundo a quinta, após a embaixada na China, no Iraque, no Irão e na Alemanha — no minúsculo Haiti, após a mudança do regime haitiano pelo governo Bush.

Nota: Este post é editado ao abrigo do §4 da minha declaração de princípios "Trarei para o meu blog todos os temas que julgo serem omitidos por razões que a razão desconhece ou me parecerem arredados da agenda das redacções da imprensa semanal"