11 abril, 2012

Águia



Minha alma Celta se inquieta
Meu coração Luso pulsa, de repulsa
Meu sangue Mouro desperta
enquanto uma águia cruza, alta, a planície deserta

Não me limito à geografia de estar
Não sou estas fronteiras
Europa? Não sou de um só lugar
e para viver que se procure outras maneiras

Somos de todos os ignorados lados
Somos de mares antes navegados

Rogério Pereira

23 comentários:

São disse...

Adoro o cante alentejano, te agradeço.

Fica bem

Janita disse...

Que beleza de post, meu Amigo!
Desde o vídeo, que oiço enquanto escrevo, até ao seu belo poema, tudo me faz sentir em paz e harmonia com a vida.

Como também tenho sangue Mouro
Por certo a minha Alma será Celta
Até meu coração Luso se repugna
Com aquilo que a si o inquieta.

Um beijinho grande, amigo Rogério!

folha seca disse...

Caro Rogério
Ouvi e vi. Ouvi vi e li. Que dizer?
Perante este vídeo, esta orquestração, estas vozes (pena haver uma parte do conteúdo não ter dado para entender).
Sobre o poema (este saíu da sua alma).
Grato por esta partilha (mai nada)
Abraço
Rodrigo

acácia rubra disse...

Vou ficar em silêncio para não quebrar a magia...

Beijo

AvoGI disse...

adoro estes cantares do Alentejo
kis .=)

Graça Pereira disse...

Gosto do cante alentejano...parece a nossa alma a chorar e chora ( e de que maneira...) no teu poema que é o sentir de todos nós!
Beijo
Graça

Eva Gonçalves disse...

Faço minhas as palavras da acácia rubra...fiquei maravilhada, que belo post. e poema também. Beijo

jrd disse...

Somos muitos e precisamos de um golpe de asa.
Abraço

Graça Sampaio disse...

"Somos de todos os ignorados lados" - porque somos uns verdadeiros panhonhas! vejam lá se os espanhóis não se rebelam e não lutam!

BRANCAMAR disse...

Fiquei maravilhada com o post, com o vídeo e o poema que nos diz da grandeza de um povo, que não está a fazer jus à sua memória.

E, depois do comentário da Graça Sampaio, saio com um sorriso, que ela sempre me desperta por onde quer que me cruze com a sua bem humorada frontalidade - é outra espécie de "conversa avinagrada", :).

Beijos
Branca

Flor de Jasmim disse...

Lindo de ver, ouvir e ler.

Beijinho e uma flor

rosa-branca disse...

Olá amigo, já hoje li este belo poema no facebook e adorei. Beijos com carinho

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Quando li o título do post, pensei que a música fosse outra....

Prefiro esta,obviamente!

Rui Pascoal disse...

Sabe tão bem passar por aqui...
Lindo!

Sylvia Rosa disse...

Não entendi ao pé da letra, mas fizestes tremer minha alma.
Boa nt amigo!

Gisa disse...

Leio e calo. A beleza não merece ser tocada.
Um grande bj querido amigo

Carlota Pires Dacosta disse...

Um canto que da alma nos sai
Sofrido em manhãs de orvalho
Eram presença em ranchos de ceifas
Alegrias de um dia de trabalho

Gostei muito deste post.
A minha costela Alentejana agradece
beijinhos

Anónimo disse...

Maravilhoso!!!

Mais não consigo dizer, pelo menos agora...

Bem hajas amigo
Beijo

Rosa dos Ventos disse...

Todos temos um pouco de andarilhos...nem que seja de alma!
Pela música também vamos..."comovidos e mudos" !

Abraço

Isa GT disse...

Boa música e poesia.
Só quem não tiver alma é que não fica com ela inquieta...

Bjos

Margarida disse...

A minha alma inquieta, inquieta se não sei se pela bela música, se pela poesia maravilhosa! :)

Fê-blue bird disse...

Meu amigo:
A música e o poema deixam-me sem palavras.
Um momento mágico e um apelo à união dos povos ignorados.
LINDO!!!!


beijinhos

Vítor Fernandes disse...

Quando é que vai ser publicado o teu livro de poesias?