15 abril, 2012

Homilias dominicais (citando Saramago) - 78


----------------------------------------------------------------------------------- Foto de "A Bola"
Foram referidos valores tidos. Abraço, meu caro! 
(que te sigam o exemplo, enquanto é tempo!)

Escrevo estas palavras ainda sobre o efeito da minha presença nessa homenagem. Homenagem a José Manuel Tengarrinha, dois dias depois do 80ª aniversário. Explico porquê: senti, para além das palavras ditas por palestrantes convidados e do próprio, que estava entre gente necessária, com memória, com ideais, não de todo iguais, mas que podiam encontrar caminho comum. Seria esperar de mais que, num almoço, fosse sequer tentado estabelecer pontes ou até enfatizar isso. Bastou-me a percepção de que há gente... e isso é bom. Basta que compreendam que "se o mundo alguma vez conseguir ser melhor, só o terá sido por nós e connosco." - isto escreveu Saramago e é a mensagem que hoje vos trago, tendo ainda presente o que ouvi

HOMILIA DE HOJE 
"Temos razão, a razão que assiste a quem propõe que se construa um mundo melhor antes que seja demasiado tarde, porém, ou não sabemos transmitir às pessoas o que é substantivo nas nossas ideias, ou chocamos com um muro de desconfianças, de preconceitos ideológicos ou de classe que, se não conseguem paralisar-nos completamente, acabam, no pior dos casos, por suscitar em muitos de nós dúvidas, perplexidades, essas sim paralisadoras. Se o mundo alguma vez conseguir ser melhor, só o terá sido por nós e connosco. Sejamos mais conscientes e orgulhemo-nos do nosso papel na História. Há casos em que a humildade não é boa conselheira. Que se pronuncie bem alto a palavra Esquerda. Para que se ouça e para que conste. 
Escrevi estas reflexões para um folheto eleitoral de Esquerda Unida de Euzkadi, mas escrevi-as pensando também na esquerda do meu país, na esquerda em geral. Que, apesar do que está passando no mundo, continua sem levantar a cabeça. Como se não tivesse razão." 
Saramago in "Outros Cadernos..." - Fevereiro.2009

9 comentários:

BRANCAMAR disse...

Saudades!
A mesma imagem, mesmo aos 80 anos, a mesma voz, o mesmo carácter.
Não me admira o apreço de toda a esquerda nesta homenagem, afinal antes do MDP/CDE, existiu o MDP, o do antes de 1974, onde se uniam e se refugiavam a maior parte dos opositores de esquerda ao antigo regime. Afinal foi com o MDP que se fizeram as primeiras eleições com um partido de oposição, embora as eleições tivessem sido uma farsa, mas serviram para que eu bem novinha ouvisse pela primeira vez essa oposição e ouvisse a lendária Engª Virgínia Moura à porta fechada, num comício no Coliseu do Porto.
O MDP/CDE, tendo como base o MDP tinha uma vocação mais de movimento congregador de forças que de partido, talvez por isso não tenha sobrevivido como tal. E foi pena, sempre me identifiquei com os seus ideais de Unidade.

Obrigada pela partilha.

Beijos

Isa GT disse...

Custa-me muito dividir tudo entre esquerda e direita, pois a linha que me rege é sempre uma mistura da minha própria consciência/ experiência com... bom senso, um imenso desejo de consenso e o chamado senso comum que, por vezes, consegue resolver mais problemas do que ficar presa a regras fixas. Mas sei que me identifico mais com as ideias da esquerda do que da direita e preocupa-me muito que, por toda a Europa, se esteja a espalhar uma extrema direita fanática que vai ocupando lugares que parecem por vezes inofensivos como por exemplo em municípios.
Não tenho dúvida nenhuma que está para chegar outro período bem negro para a velha Europa, em que, como fala Saramago, as pessoas que tenham consciência do seu papel na História ou sejam em geral de esquerda, vão ter mesmo que levantar cabeça.

Bjos

folha seca disse...

Caro Rogério
Tento sempre quando comento, acrescentar qualquer coisinha (coisa nem sempre bem sucedida). Hoje apenas quero subscrever por inteiro o que disse no seu post.
Abraço
Rodrigo

Anónimo disse...

Saudades!
A mesma imagem, mesmo aos 80 anos, a mesma voz, o mesmo carácter.
Não me admira o apreço de toda a esquerda nesta homenagem, afinal antes do MDP/CDE, existiu o MDP, o do antes de 1974, onde se uniam e se refugiavam a maior parte dos opositores de esquerda ao antigo regime. Afinal foi com o MDP que se fizeram as primeiras eleições com um partido de oposição, embora as eleições tivessem sido uma farsa, mas serviram para que eu bem novinha ouvisse pela primeira vez essa oposição e ouvisse a lendária Engª Virgínia Moura à porta fechada, num comício no Coliseu do Porto.
O MDP/CDE, tendo como base o MDP tinha uma vocação mais de movimento congregador de forças que de partido, talvez por isso não tenha sobrevivido como tal. E foi pena, sempre me identifiquei com os seus ideais de Unidade.

Obrigada pela partilha.

Beijos

BRANCAMAR disse...

Rogério,

É a terceira vez que isto me acontece, a repetição de um comentário meu, que vem mais tarde, às vezes até no dia seguinte como anónimo, desconheço os motivos, a primeira vez pensei que foi mau funcionamento do blogger, porque se repetiu quase logo ou com um intervalo pequeno, a segunda só detectei ontem no Teatrices, pelos vistos num dia diferente e agora aqui. Se preferir será melhor anular sempre que isto acontecer, pois pela hora a que este comentário foi escrito, tenho dúvidas que seja erro do blogger, ou que seja uma brincadeira de mau gosto, de quem não tem que fazer.

Importante seria que nos concentrassemos todos nesta união de que nos fala e que encaressemos a vida com seriedade, em vez de nos queixarmos daquilo porque afinal não lutamos.
Precisamos levantar cabeça e pensar no que nos une e não no que nos separa.

Beijos

P.S. Os meus comentários têm sempre a minha fotografia, embora desactualizada uns quatro anos, mas é uma homenagem a um amigo de Lisboa que ma tirou quando veio com a família a minha casa conhecer-me e que partiu em finais de Novembro para sempre. Como os seus comentários não são moderados eu sempre vejo os meus logo que publico, pelo que este texto repetido não tem nada a ver comigo.

. intemporal . disse...

.

.

. [. gratíssimo pela presença . na minha página de aniversário .] .

.

.

. um forte abraço .

.

.

jrd disse...

Se não te importas -sei que não- faço meu este poste.

Abraço

Ana Tapadas disse...

Um senhor, no exacto sentido da palavra!
"se o mundo alguma vez conseguir ser melhor, só o terá sido por nós e connosco."!

Eu não perco estas suas homilias!

Beijo

Anónimo disse...

Rogério,

É a terceira vez que isto me acontece, a repetição de um comentário meu, que vem mais tarde, às vezes até no dia seguinte como anónimo, desconheço os motivos, a primeira vez pensei que foi mau funcionamento do blogger, porque se repetiu quase logo ou com um intervalo pequeno, a segunda só detectei ontem no Teatrices, pelos vistos num dia diferente e agora aqui. Se preferir será melhor anular sempre que isto acontecer, pois pela hora a que este comentário foi escrito, tenho dúvidas que seja erro do blogger, ou que seja uma brincadeira de mau gosto, de quem não tem que fazer.

Importante seria que nos concentrassemos todos nesta união de que nos fala e que encaressemos a vida com seriedade, em vez de nos queixarmos daquilo porque afinal não lutamos.
Precisamos levantar cabeça e pensar no que nos une e não no que nos separa.

Beijos

P.S. Os meus comentários têm sempre a minha fotografia, embora desactualizada uns quatro anos, mas é uma homenagem a um amigo de Lisboa que ma tirou quando veio com a família a minha casa conhecer-me e que partiu em finais de Novembro para sempre. Como os seus comentários não são moderados eu sempre vejo os meus logo que publico, pelo que este texto repetido não tem nada a ver comigo.