02 abril, 2012

Metamorfose - X (Saudação aos umbigos da nação)


Saudação aos umbigos da nação
Passa-lhe tudo ao lado
Nada tem a ver consigo
Está louco e encantado
Com o seu próprio umbigo

Tornou-me assexuado
Basta-lhe o amor recebido
Está louco e encantado
Com o seu próprio umbigo

Canta, declama, fala e é escutado
Pelo seu mais velho amigo
Está louco e encantado
Com o meu próprio umbigo

Desdenha ou comenta com enfado
Os porquês dos caminhos que sigo
Está louco e encantado
Com o seu  próprio umbigo

Faz poemas e num verso bem alinhado
Com ele próprio parecido
Ficou mais que enfeitiçado
Com o seu próprio umbigo

Um dia, depois de por momentos se ter perdido
Reencontro-se. Era ele. O próprio umbigo

Rogério Pereira

26 comentários:

Gisa disse...

Fácil de acontecer e difícil de reconhecer.
Um grande bj querido amigo

acácia rubra disse...

E cada vez mais há umbigos à mostra. Aliás, para quê tapá-los se eles se revela nos mais simples atos? Até no pedir desculpa, até no sentar-se quando há apenas um lugar vago e pessoas ais idosas ou com filhos ao colo.

Beijo

folha seca disse...

Caro Rogério
Uma sátira bem feita a um certo "umbiguismo nacional".
Abraço
Rodrigo

Eva Gonçalves disse...

:) Encantada com esta observação cuidada e rimada destes loucos e enfeitiçados com os próprios umbigos... beiijinhos

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Há gente para quem o umbigo funciona como o próprio espelho.Normalmente acabam mal...

jrd disse...

As voltas que o umbigo (deles) dá...
Excelente!

Mar Arável disse...

Não há umbigo que resista

Abraço

Lídia Borges disse...

Pois bem!
Esta coisa do umbigo
Tem um tom avinagrado
É só isto que lhe digo
Deste cantar magoado.


Um beijo

Fê-blue bird disse...

O retrato perfeito da sociedade do umbigo!

De tanto olharmos para ele esquecemos de olhar o céu.

beijinhos meu amigo

Flor de Jasmim disse...

Caro Rogério
Não costumo ver os umbigos, mas vejo muitos daqueles que para os seus olham.

Beijinho e uma flor

BRANCAMAR disse...

Rogério,

Ainda um dia hás-de publicar o teu livro de poesias satíricas e acredito que tenham um êxito enorme. De repente fizeste-me lembrar a poesia de Mendes de Carvalho que me deliciou há muitos anos e acredito que também a tenhas descoberto por essa altura.

Umbigos destes há-os por todos os lados e nem se dão ao trabalho de olhar ao espelho o ridículo que refletem.

Beijos.
Branca

AvoGI disse...

as voltas de um umbigo ou às voltas de um umbigo ou como se diz por aqui "Imbigo"
kis .=)

Rogério Pereira disse...

Querida Brancamar, sinto-me honrado por me por ao lado de um POETA com outra dimensão. Para se perceber que exagera, passo a transcrever uma coisa bem divulgada (Mário Viegas o fez tão bem...):

CANTIGA DOS AIS

Os ais de todos os dias
os ais de todas as noites
ais do fado e do folclore
o ai do ó ai ó linda

Os ais que vêm do peito
ai pobre dele coitado
que tão cedo se finou

Os ais que vêm da alma
ais d´amor e de comédia
ai pobre da rapariga
que se deixou enganar
ai a dor daquela mãe

Os ais que vêm do sexo
os ais do prazer na cama
os ais da pobre senhora
agarrada ao travesseiro
ai que saudades saudades
os ais tão cheios de luto
da viúva inconsolável

Ai pobre daquele velhinho
ai que saudades menina
ai a velhice é tão triste

Os ais do rico e do pobre
ai o espinho da rosa
os ais do António Nobre
ais do peito e da poesia
e os ais doutras coisas mais
ai a dor que tenho aqui
ai o gajo também é
ai a vida que tu levas
ai tu não faças asneiras
ai mulher és o demónio
ai que terrível tragédia
ai a culpa é do António

Ai os ais de tanta gente
ai que já é dia oito
ai o que vai ser de nós

E os ais dos liriquistas
a chorar compreensão

Ai que vontade de rir

E os ais do D. Dinis
ai Deus e u é

Triste de quem der um ai
sem achar eco em ninguém

Os ais da vida e da morte
ai os ais deste país

Vítor Fernandes disse...

E não era único. Há por aí demasiados umbiguistas.

O poeta é bom!

Um abraço.

Fernanda disse...

Não o teu, seguramente, mas de muitos certamente.

Beijo

Ana Martins disse...

Rogério, boa noite!
De facto, vivemos a era do "umbiguismo" e, de tanto se olhar o próprio umbigo, já não se consegue perceber com sensibilidade os dramas dos outros.

Beijinho com votos de uma Santa e Feliz Páscoa,
Ana Martins

Isa GT disse...

É cada um maior que o outro... alguns até davam para fazer uns parques de estacionamento ;)

Realmente, há poucos como o Rogério, bom na prosa e na poesia e esta, acertou mesmo no ponto, não passam de umbigos com garganta e um penacho... para enfeitar o buraco.

Bjos

. intemporal . disse...

.

.

. assertivo . o que vem provar o sentido crítico que por vezes se encontra latente na poesia .

.

. como um sopro de dentro . ou um fôlego expandido . ou ainda e também . um grito entre palavras . em ascese .

.

. desejo.Lhe uma Páscoa feliz e amplamente renovada .

.

. um forte abraço .

.

. paulo .

.

.

© Piedade Araújo Sol disse...

e não deve ser exclusivo.

há vários por aí, que só se preocupam com o seu umbigo.

poema muito atual.

gostei!

uma boa Páscoa e um

beij

Margarida disse...

A propósito, decidi cortar o cordão umbilical que me unia ao ser humano cada vez menos humano... Mas quando leio as tuas palavras, fico sem palavras e com uma corrente de esperança que ainda me acalma o coração. Beijinhos Rogério e obrigada!

Maria João disse...

Rogério, porque é tão a propósito, perdoar-me-à a ousadia...


Esvoaçam com belas plumagens
Esses pássaros de rapina
Pensando que ganham asas
Rastejar é sua sina

Suplicam por atenção
Nem se suportam de vaidosos
Por fora é só beleza
Por dentro são rancorosos

É de inveja que se alimentam
Quando outras aves ousam voar
A vida só pode girar num sentido
Aquele em que se julgam brilhar

Faço versos e não sendo poeta
Vejo a vida como ela é
É que embora sendo diferentes
Nenhum de nós morre de pé

Preste amigo bem atenção
Porque é com razão que lhe digo
Para muitos sendo o que são
Tão pequenos, são só umbigo.


um beijinho

Maria João Brito de Sousa disse...

Com tanta umbicalidade,
Sorri, não pude conter-me,
Mas digo, em boa verdade,
Que nenhum pode prender-me...

:) Abraço!

Sonhadora disse...

Meu querido amigo

Há por aí quem o umbigo é o seu EU mais profundo...como profundos são os seus versos.

Deixo um beijinho com carinho
Sonhadora

Janita disse...

Desde a sátira aos narcisistas nacionais e outros que tais, tudo por aqui é bela poesia, onde não faltam a dos ais.
Parabéns, Rogério! A sua veia poética cada vez está mais acutilante, aprimorada e certeira.
Também muito doce e ternurenta...


Avinagrando os umbigos
Da nossa triste Nação,
O Rogério aplica castigos…
Mas dá prémios em jeito de saudação!

:-)

Beijinhos

Rogério Pereira disse...

Boa, Janita
Quadra bonita

Graça Sampaio disse...

Muito bem! Muito bem!

Beijinhos