25 abril, 2012

Esta é a madrugada que eu esperava / O dia inicial inteiro e limpo / Onde emergimos da noite e do silêncio / E livres habitamos a substância do tempo (Sophia de Mello Breyner Andresen)



... hoje, no 38º aniversário do 25 de Abril de 1974... reproduzir é criar!
--------------------------------- ------------------ Surripiado de "A Nossa Candeia

19 comentários:

  1. Também usei estes versos de Sophia na minha barra lateral, são dos que mais ilustram a alegria desta madrugada, talvez os deixe lá sempre com um cravo.

    Recordar estas imagens, de um tempo vivido aos 19 anos é pura emoção e uma força motivadora, que não se pode deixar esmorecer, por nós, pelos que tombaram, por todos os que sofreram pelo futuro que parece comprometido...mas nada está perdido se o não deixarmos, porque nada é igual ao 24 de Abril de 1974.

    Beijos
    Branca

    ResponderEliminar
  2. A blogosfera é Abril, e isso é já bastante...

    Beijo.

    ResponderEliminar
  3. ... para preservar e viver inteiro "e limpo" :)
    Obrigado, Rogério...
    25 de Abril, Sempre!

    ResponderEliminar
  4. Este momentos tenho-os ainda gravados na memória de um passado recente.

    Tinha conseguido comprar o livro Portugal e o Futuro e adormeci a ler.

    Acordei de madrugada, liguei o rádio e acordei de vez.
    Depois face aos constantes comunicados fui seguindo os acontecimentos sem saber o que viria a seguir...
    Havia no ar muitas incertezas.

    ResponderEliminar
  5. .

    .

    . deixo abraços de abril .

    .

    . e um molho de cravos . para todas as palavras que dignifiquem a democracia e a liberdade .

    .

    . vinte e cinco de abril . sempre .

    .

    .

    ResponderEliminar
  6. Estamos juntos e isso é importante!

    Obrigada! SEMPRE ABRIL!

    Beijo

    ResponderEliminar
  7. Parece-me que ansiamos por um novo abril, por uma nova madrugada.

    ResponderEliminar
  8. Abril, sempre!...

    Com cravos
    frescos
    renovados!...

    Viva Portugal Livre e Solidário!

    ResponderEliminar
  9. Demorou tanto a chegar. Não podemos deixá-la partir.
    Abraço de Abril. Sempre!

    ResponderEliminar
  10. Rogério, boa tarde!
    Era ainda uma menina e não percebia o que estava a acontecer, lembro-me do medo que senti quando vi que não conseguia ir da escola para casa. Estava instalado o pânico e não deixavam as pessoas passar. Tinha apenas 10 anos e estava na Guiné-Bissau.
    Hoje digo com toda a força, Abril sempre, embora desiludida com o estado do meu País.

    Beijinho,
    Ana Martins

    ResponderEliminar
  11. Respeitei religiosamente o recolher sugerido por ter dois filhos comigo, um de 4 e outro de 1 que, para grande alegria minha, com este grande acontecimento da nossa história, não teriam que partir para África com instruções de matar para não serem mortos.

    Essa era a grande Liberdade que nós ardentemente desejámos. Tivemos outras benesses mas essas... andam a correr todos os riscos porque "os mercados" coitados, estão a precisar muito do dinheiro dos pobres.

    25 de Abril Sempre! (vamos acreditar que ainda é possível)

    Abraços Amigo!

    ResponderEliminar
  12. Sempre
    um dia havemos de reinventar Abril....Hoje é o dia! (Amanhã, também:-)

    ResponderEliminar
  13. Meu amigo, o facto de estarmos todos em sintonia e a comemorar o 25 de Abril, ainda quer dizer alguma coisa.
    Podem nos tirara tudo, menos as memórias e os ideais.
    25 de Abril, SEMPRE!


    beijinhos

    ResponderEliminar
  14. Abril, abril sempre e para sempre|

    Abraço com cheiro a cravo

    ResponderEliminar
  15. Curioso ter escolhido estas palavras de Sophia.
    Esperámos tanto para poder dar nome às coisas. Não é por acaso que Sophia chama ao livro onde consta este poema "O Nome das Coisas"(1977). Encontramos também aí outros como:"Revolução"; "Com Fúria e raiva"; "Nesta Hora"; "Liberdade"... que dão conta da consciência política e responsabilidade cívica da autora.
    Continuar a chamar as coisas pelo seu verdadeiro nome é tão importante.



    Um beijo

    ResponderEliminar
  16. Recordar é bom, muito bom. Faz-nos recuperar o fôlego e o ânimo para encararmos de frente o momento presente. Precisamos deles mais do que nunca, porque agora já não existem militares que nos valham.
    Beijinhos de Abril.

    ResponderEliminar
  17. habitamos a "substância do tempo".
    e da-mo-nos conta de que somos tão precariedade movimento. depois partimos, e deixamos um vazio de saudade e mágoa naqueles que caminharam ao nosso lado...

    25 de Abril, sempre.
    gratidão pela partilha

    Mel

    ResponderEliminar