20 fevereiro, 2014

Que não se enganem, ele estará sempre onde o seu coração quiser. Para mim é no meu que mora, ao lado das canções que canta.


"Eu sou de onde sou. Sou de onde nasci, sou da língua que falo, sou da história que o meu país tem, sou das qualidades e dos defeitos que nós temos, sou dos sonhos e das ilusões que são nossos, ou foram ou vão ser. É daí que eu sou, é aí que eu pertenço...", estas eram as palavras de Saramago quando partia, e deixava outra mensagem, anos depois de ter partido: "Continuo a 'gostar do que Portugal fez de mim'. Do que não gosto é do que se está a fazer em Portugal..."

Saramago esteve sempre perto de nós, mesmo depois de ter partido.  A mesma corja que o afastou, afasta agora Fernando Tordo... Que não se enganem, ele estará sempre onde o seu coração quiser. Para mim é no meu que mora, ao lado das canções que canta.
"Poeta não é gente, é bicho coiso
Que da jaula ou gaiola vadiou
E anda pelo mundo às cambalhotas,
Recordadas do circo que inventou."
"Circo", J.Saramago/F.Tordo