15 junho, 2014

Geração sentada, conversando na esplanada - 65 (Ganha o António Costa, vai uma aposta?)

"O último erro que os socialistas cometeram, e espero que seja mesmo o último, foi o Tratado Orçamental, porque ele veio consagrar duradouramente um desequilíbrio assimétrico no funcionamento e na gestão da nossa moeda".
António Costa, aqui
"...provavelmente na altura em que aprovámos o Tratado Orçamental não havia outra solução senão aprovar o Tratado Orçamental."
Idem, aqui
"Um país nunca se deve comprometer com coisas que não pode cumprir. Segundo o Tratado (Orçamental), vamos ter que fazer uma parceria (...) com a Comissão Europeia para ela nos impor um conjunto de políticas económicas durante 20 anos."
João Ferreira do Amaral, aqui


Quando ele chegou já eu lá estava, mas não na esplanada. Por estar cheia, sentara-me num dos últimos degraus da escada que lhe dá acesso, à sombra e não desagradado do lugar, pois ali corria uma brisa fresca. Ele, quando me viu, sorriu e fez o mesmo, a custo, pois uma daquelas dores que incomodam os velhos não facilitou o dobrar-se e quase entornava a chávena de café ao sentar-se em lugar tão baixo. Já recomposto, e depois do habitual cumprimento e de falarmos do tempo, lançou-me: 
- "Sei que não quer comentar a guerrilha que anda lá para o lado do PS, mas o que é que lhe parece?"
- "Me parece... o quê?"
- "O Costa é de facto aquele de que muita gente gosta!"
Encolhi os ombros, mas lá fui dizendo, contrariando a jura de não falar no tema:
- "Que venha o diabo e escolha! Sabe que ele foi ministro disto e daquilo e ninguém se lembra de um só empenho que lhe possa ser atribuído e que ele se possa gabar?"
- "Mas sabe o seu partido!"
- "Podemos lá nós esquecermo-nos disso..."
E mudámos de assunto, depois de rejeitar uma "cena" em que ele queria apostar...