23 junho, 2014

Um mamelão é algo que não chega a ser um monte, embora faça parte da serra...

... de tarde, era suave o odor da terra molhada - imagem tirada da net

Montejunto é uma serra bela. Do lado sul, indo por Alenquer, situa-se uma pequena e velha aldeia, Atouguia, que além do casario, possui uma pequena igreja e um rio. Ontem, lá numa casa de cara lavada, reuni com amigos. Quatro mulheres, uma, a minha, outra viúva e as outras duas mulheres de amigos que lá estavam sendo um o dono da casa. Elas matavam a ausência de encontros, pondo as memórias em dia sobre os tempos em que o trabalho as unia. Nós, em separado, íamos conversando sobre de tudo um pouco, fazendo das palavras cerejas, e os temas iam sendo salteados: o tempo e como o ocupávamos; o futebol, as incidências e os vaticínios cinzentos (que à noite se confirmariam); a política. Tudo à volta de um farto churrasco, que dali a pouco seria um bom repasto. Registo isto, como se regista num diário um dia bem passado e algumas coisas ditas com segundos sentidos:
  • uma estirada literária que fez com que o dono da casa julgasse estar citando um texto camiliano, "nunca perguntes às águas de uma enchente quais as que vieram da nascente";
  • "um mamelão é algo que não chega a ser um monte, embora faça parte da serra";
  • "de quem recua uma e depois outra vez, ninguém pode afirmar que a capacidade de decisão lhe seja um indiscutível atributo".